Atum rima com Outono!

Versão Portuguesa

E não é que chegou o Outono? Ah pois é, e com o outono veio a minha vontade de comidas de outono. Sim, a realidade é esta, comida de outono. As comidas de outono, são aquelas que comemos com camisolões vestidos e não sentimos vontade nenhuma de o tirar. Aquelas comidas, altamente calóricas, também comummente conhecidas por comida de conforto. A comida de conforto serve para os dias frios. Se bem que não me parece que o calor esteja pronto para ir embora. Pronto os dias já não sabem a verão mas sabem a uma primavera tardia. De manhã está fresco, de tarde aquece e as noites, maiores, estão fresquinhas.

Hoje enquanto me passeava nas redes sociais, eis que me deparo com a chegada da primavera no Brasil, flores de cores vibrantes e felizes. Eu poderia ter ficado afetada com esta discrepância continental. Porém, a minha verdade é que existem duas estações que me aquecem o coração, o Outono e a Primavera. Por isso, se no Brasil se colhem orquídeas roxas, em Portugal podemos comer bolinhas de atum sem pensar que mais mês menos mês temos de vestir o biquíni.

Assim sendo, espero que faça umas boas férias Sr. Verão. Quanto a nós, Sr. Outono, conto consigo para inspirações como a de hoje!

English version

What about autumn’s arrival? Oh yeah, and with autumn, my urge for autumn food. Yes, autumn food. Autumn food is the one that you eat with nightshirts dresses and do not feel gut to take it off. This food, highly caloric, also is commonly known as comfort food. The comfort food is for the cold days. Although I do not think the heat is ready to leave. Even thou, days don’t taste like summer, but like late spring. In the morning is fresh, afternoons warm up and evenings, largest than before, are cold.

Today as I was surfing on social networks, I faced myself with the arrival of spring in Brazil, with vibrant, happy color flowers. I should have been affected with this continental discrepancy. But my truth, is that there are two seasons that warm my heart, autumn and spring. So if in Brazil are harvested purple orchids in Portugal, you can eat tuna balls without thinking that in a bit we have to wear bikini.

Therefore, I hope you have good holidays Mr. Summer. As for us, Mr. Fall, hope you bring me inspirations like today!

BOLINHAS DE ATUM

O que vais precisar?

  • 1 lata de atum;
  • Igual quantidade de atum (do peso de uma lata de atum), em pão recesso;
  • 1 cubo de marisco;
  • Salsa qb;
  • Erva provençal, qb;
  • Oregãos, qb;
  • Leite, o mesmo peso do atum.
  • Farinha;
  • 1 ovo

Como vais fazer?

  1. Ferver o leite com o cubo de marisco;
  2. Escorrer o óleo, azeite ou agua do atum, e espaçar bem o atum;
  3. Quando o leite estiver morno, depois de fervido, regar o pão recesso. Deixar o pão absorver e escorrer os excessos de leite;
  4. Misturar o atum, a salsa, a erva provençal e os oregãos ao pão e fazer uma massa;
  5. Depois da massa pronta,fazer bolinhas, passar na farinha e depois no ovo. Repetir o processo até acabar a massa;
  6. Aquecer o óleo, e fritar as bolinhas.

Hmmm, comida de Outono!!

WP_20150923_19_38_07_Pro

Na pérola do Atlântico, com bolo do caco

Qual é a melhor parte do Verão? Vá, tenta lá adivinhar…. Eu ajudo. FÉRIAS!

Exactamente, a melhor parte do verão, são as férias. Do meu ponto de vista, umas boas férias incluem, uma boa companhia, um bom pouso e coisas novas para ver e saborear. Ora aqui a sortuda do pedaço, companhia muito boa já tem, faltava tudo resto. Foi então, que num volte face, conseguiu o pacote completo, e meteu-se num avião a caminho da pérola do atlântico.

Primeiro momento de estranheza. Apanhas um avião em Portugal, voas para Portugal e em momento nenhum te perguntam: “Quer um café?”. Muito pelo contrário a questão feita é:”Voulez-vous un café?”. IUP, só francês. Como a duração da viagem entre o Porto e o Jardim, é igual à duração da viagem entre o Porto e Paris, eu questionei-me se teria apanhado o voo certo.

Ao que parece, sim. Isto porque, quando olhei pela pequena janela do avião e vi uma asa fora da pista, e que parecia que rasgava o mar, entendi que não estava em Paris.

Dizem os entendidos no assunto, que a Madeira é um jardim. Não estão em nada equivocados, mas mais do que ser um jardim, é um bosque encantado. Não houve nada mais estranho, do que andar a passear a Ilha, e às tantas, entre crisântemos e hortênsias, aparecem nuvens, brancas e fofinhas, como as dos desenhos animados. Nós ali, dentro de um carro, numa estrada onde mal cabiam dois carros, com um GPS que nunca nos deixou ficar mal e que sem aviso prévio mostra um aviso de erro… “Estou perdido” era o que o GPS queria dizer… E agora? Eu passei a informação ao Pedro, que mais uma vez, descansado da vida responde:” Relaxa, à pouco o GPS falava em 8 km, ainda só fizemos 2, são mais 6 por aqui”. Honestamente, acho que ele está a começar a ficar com o síndrome de Arsénio (o meu pai), que tem o depósito prestes a acender a luz, e continua a insistir que ainda dá para mais 100km… Enfim, o Pedro tinha razão mais 6 km pelo caminho e chegamos a um novo lugar. Para melhorar, o GPS encontrou-se!

Outra das sensação incríveis que se tem, é de que num único dia, conseguimos apanhar todas as estações do ano. Não no mesmo sitio, é certo, mas andando de um lado para o outro. Ora chove aqui, andam-se 10km, já não chove mas faz frio, mais 10km, já não faz frio está calor…. Enfim, se numa ilha com uma área de 801km2 não há consenso entre o tempo, porque haveria de haver consenso com o continente?

Outro dos momentos estranhos, é o facto de nós sermos portugueses de gema, eles serem portugueses e no entanto, dificilmente se dirigiam a nós em português. 2 opções, ou nós temos cara de espanhóis/ingleses, ou então os madeirenses querem tanto agradar que se esquecem da própria origem.

Aqui está outra coisa, a vontade que têm de agradar. Não vou dizer no Funchal, porque é muito turístico e chegam a abusar do deslumbre dos turistas, mas vou falar dos outros sítios em que estivemos. As pessoas são realmente atenciosas e simpáticas e combinam em muito com a paisagem. Até porque, são precisamente essas pessoas que tornam a paisagem tão soberba. Foram varias as pessoas, que vimos a tratar das cantarias em flor. Se no continente as cantarias são em pedra, ali não, ali são a continuação das levadas. São arbustos em flor que encontramos aos longo das estradas. Realmente, a madeira é bucólica e cheia de beleza natural.

Existem realmente experiências que são para ser vividas, lugares para ser conhecidos. Eu tive por 5 dias, a experiência de visitar um sitio, lindo, viver memorias incríveis e mais importante, ter uma companhia como sempre à altura do desafio. Se quero lá voltar? claro que sim, mas só depois de conhecer outros destinos da minha lista de viagens. Alem disso, tenho receio de voltar a viver a desilusão da casinha das bonecas na Disney. A primeira vez, é fenomenal, a segunda são bonecas a cantar e na terceira já só queres que aquele carrinho corra para o fim.

IMG_1892

A receita que trago é Bolo do Caco. Nós comemos muito, com manteiga de alho e eu achei por bem aprender a fazer. Nunca se sabe, quando vou necessitar de impressionar alguém com cozinhados típicos portugueses.

BOLO DO CACO (para 4)

O que vais precisar?

  • 350gr de farinha + extra, caso a massa fique muito liquida;
  • 250gr de batata doce descascada, cozida e a água onde foi cozida;
  • 1 solher de café de sal marinho;
  • 8gr de fermento de padeiro;

Como vais fazer?

Vou deixar aqui o video, que me ensinou a fazer.

Ele fala em 15minutos para levedar, eu deixei 4h. As receitas originais falam em 2/3h, podendo ficar a noite toda.

https://youtu.be/Ra5Jy_q-244

WP_20150822_19_17_17_Pro

WP_20150822_19_17_22_Pro WP_20150822_19_17_25_Pro

Comer castanhas num bar de praia!!!

Chegou o outono!!! Vamos comprar roupa de frio, encher os cestos de lenha. Abastecer a cozinha com castanhas e chocolate, para as bebidas quentes. Tudo porque finalmente chegou o frio… Só que não…

Estamos a 22 de Outubro, em Espinho, Portugal. Estão 23º e só agora o relógio da capela está a dar as 12 badaladas do meio-dia… Ou seja, até às 2h da tarde devemos atingir a módica temperatura de 25º. O mar está flat, pena para os surfistas, óptimo para os desempregados que de resto são uma maioria quando comparados com surfistas ou muitas outras “profissões”. Lá fora, cheira a Verão. Tipo Julho…

Olhando bem para esta descrição sinto-me contente. Contudo, é-me difícil ultrapassar o facto de ser OUTUBRO. Senhor Santo Pedro, Santo das temperaturas e divergência delas. Que mal fez o povo a ti, para durante os meses de verão teres ido de férias para a Lapónia e durante os meses de inverno teres ido até ao Brasil?! Isto está tudo descontrolado… Assim até parece mal comer castanhas assadas… Se bem que nem se sente o cheiro delas, pudera com temperaturas destas não apetece estar em frente a um assador, mas sim de uma arca congeladora a servir gelados…. O problema, é que já não há quase arcas de gelados funcionais, porque o Verão já acabou e agora ninguém quer gelados… A sensação que tenho é que o tempo está a passar pela fase de menopausa que todas as mulheres têm. Quando está frio, abrem janelas porque está um calorão e estão afogueadas. Quando está calor vestem uma malhinha, porque sentem uma correntezinha de ar… Bolas já não me bastou ter apanhado 1001 constipações na fase da minha mãe e da minha tia e agora também o tempo? Começo a ficar depressiva com estas mudanças comportamentais do tempo. Por isso tomei uma decisão. Adaptei-me.

Pedi à minha mãe que comprasse castanhas, temos cobertores de inverno espalhados por todas as divisões. O frigorífico, como de resto todo o ano, está recheado de chocolates. Os meus casacos de inverno estão todos apostos, o inverno nunca se sabe, pode voltar repentinamente. Ok, na rua uso os meus vestidos veraneios, mas ando sempre com uma malhinha, o S. Pedro pode regressar do Brasil a qualquer momento. Mais do que tudo isto, e ultrapassando todas as leis de calor, ASSAMOS CASTANHAS!!!

QUE LOUCURA!!!

Haverá alegria maior do que castanhas assadas em minha casa?! Provavelmente há, mas façamos de conta que não. Cá em casa, quando as castanhas saem do forno, nós temos um comportamento que visto de fora pode parecer estranho… Imagina 4 crianças e um cão, sendo que agora somos 3 crianças e um cão, na expectativa de ter um chocolate em cima da mesa. Cada um quer um quadrado, e mais um…. o cão sente o cheiro também quer. No fim todos estão lambuzados, sorridentes e consolados… Agora Imagina tudo outra vez, com a substituição do chocolate por um tabuleiro de castanhas assadas, e as 3/4 crianças por 3/4 adultos… A reacção é a mesma… se bem que nos tornamos um pouco territoriais, ninguém pode roubar castanha descascada a ninguém… mas toda a gente rouba. Sim, isto acontece cá em casa e agora na versão Outono veraneio, em vez de camisolões de lã, temos t-shirts… em vez de pantufas, temos flip-flop’s…. Que confusão… até o cão anda descontrolado…

Resumindo, a adaptação cá em casa está a acontecer. Comemos castanhas e vamos a um bar de praia chillar. Ou então, deixo aqui a opção de negócio, temporal, servir castanhas assadas num bar de praia!!!

CASTANHAS ASSADAS

O que vais precisar?

  • 1kg de castanhas
  • 2/3 colheres de sopa de sal grosso
  • 1/3 de copo de água

Como vais fazer?

  1. Dá um golpe em cada castanhas;
  2. Coloca-as todas numa assadeira e coloca o sal e a água. Provavelmente não precisas da água toda. a intenção é molhar as castanhas e não deixa-las num mar…
  3. leva ao forno no máximo, e vai mexendo a assadeiras para elas irem assando por todo;
  4. Ao fim de 30 minutos vê se já estão prontas a sair. Tira uma e vê se a pele sai bem. Se não sair deixa ficar mais tempo até elas abrirem bem;
  5. Retira-as do forno, cobre com um pano molhado, aguar 5minutos e serve;

InstagramCapture_5e0c4d84-7613-4633-80b1-f3321f549652

Verão sem verão mas com digestão!

Então é assim, este post está muito atrasado, porque eu tive que mudar tudo… Ou seja estou possessa com o facto de ter  feito um post relativamente a actividades veraneias e eis que o verão emigra! Por favor isto não pode ser, a pessoa trabalha e gasta tempo a pensar num tema e eis que a oportunidade vai-se… Raios…

Contudo, eu não vou mudar, temos pena. O assunto continua a ser actual e se não dá para falar de sol e rios de água gelada, falemos de banho de água fria… Ou seja é tua função ler a minha opinião sobre Digestão, assumindo tudo como à e tal banho de banheira!

Este texto foi escrito no único dia quente, e de verdadeiro verão que consegui ter este ano. Terça-feira dia 22 de Julho, um mês e 1 dia depois do inicio do verão…

Parece que finalmente chegou o Verão. Isto para mim é uma alegria tao grande, tudo porque moro a uns metros da praia e posso aproveitar a tarde a torrar ao sol, e a dar mergulhos, sem gastar um níquel. Incrível ter uma piscina tão grande e publica cujas correntes afastam os xixi’s alheios do nosso corpo. Contudo todos os anos vivo um drama por esta altura… a digestão. Há quem diga que é o elefante branco dos banhos, todos o vêm e todos o ignoram. Depois existem pessoas como o Pedro que tratam a digestão como um Deus. Tem de ser estritamente respeitada… sim eu sei, a paragem de digestão pode levar o individuo a morrer, que o diga eu que há uns Verões atrás meti na cabeça que a digestão estava mais que feita e mergulhei em águas geladas…. Mais uma vez a salvação foi o Pedro que estava por perto e tomou conta de mim… mas a verdade tem de ser dita, eu facilito muito com a digestão… tanto que por vezes enfio-me na água 1h depôs de ter comido… ate à data não tive dramas…. Alias uma das poucas vezes que respeitei as três horas acabei em estado próximo do vegetativo…

Enfim, a digestão é um assunto estranho para mim… porque vejamos, depois de comer o nosso sangue ruma ao estômago para ajudar na elaboração da incineração dos alimentos, por isso é que não é aconselhado a fazer grandes esforços, ou dar sangue, ou tomar banho de agua fria durante as 2h de digestão. Contudo, se não houver choque, como trabalho de escritório ou banho à temperatura ambiente, a digestão não vai parar, porque o sangue não vai ser chamado para outras zonas do corpo. Porém, quando acontece os esforços e água fria, o processo de incineração fica pendente e o corpo entra em choque digestivo, ou seja para a digestão.

Assim sendo, durante este meu processo dietético elaborei um almoço, rico em nutrientes, leve ao estômago e que não acumula nem na coxa nem no rabo nem no estômago, ou seja é fácil de incinerar. Em suma, não preciso de pensar nas 3h horas que o Pedro insiste comigo que tem de ser respeitado e posso chegar à minha piscina gratuita e dar um mergulho, 1,5h depois de ter comido… que é mais ou menos o tempo que eu demoro para ter a certeza que o biquíni está bem colocado e não deixo nada de fora!

NB: Pronto agora que partilhei o que estava escrito à uns dias e eu andava a ponderar não partilhar, sinto-me mais leve… será que isto retira valores à minha arquinimiga Balança?!

 

CLARETE DE ATUM

O que vais precisar?

  • 4 claras de ovo;
  • 1 lata de atum em água;
  • 1 tomate para salada;
  • 1 copo de leite magro;
  • açafrão, orégão e caril (1 colher de café de cada).

Como vais fazer?

  1. Bate as claras com o leite e os condimentos. Bate como se estivesses a bater os ovos para uma omelete;
  2. aquece uma frigideira, com 2 pingas de azeite, que deves pincelar por toda a frigideira para não colar;
  3. Verte a clarete para a frigideira e faz o processo normal de cozinhar omelete;
  4. quando estiver pronta, coloca num prato. Por cima colocas o atum, sem qualquer tipo de água. ou seja escorre bem;
  5. Serve acompanhado de tomate de salada cortado às rodelas.

CAM00450 CAM00451 CAM00452

 

NB2: Clarete é o mesmo que omelete mas sem gemas… visto que eu estou proibida de comer gemas de ovo…