Bagels e Dama e o Vagabundo…

Versão Portuguesa

O meu filme preferido da Disney é a Dama e o Vagabundo. Honestamente não sei o que gosto mais no filme, se o facto de ser uma historia sobre cães, se o facto de os cães falarem ou se o facto de a família da Lady a tratar como um elemento da família. Por exemplo, oferecendo à Lady um bagel! Era aqui que eu queria chegar, aos bagels!

São bons?! São maus?! São assim-assim?!

Vejamos, não sei… os meus sabem-me bem, agora os verdadeiros? Aqueles que deixam qualquer americanos a babar?! Não sei, não sei mesmo… nunca comi um bagel de verdade. No entanto, a imagem da rosquinha, molhada no café, no filme da Dama e o Vagabundo, faz-me ficar com água na boca…

Eu não vou dizer, que estou desde 1990/1991 a babar por um bagel. Não posso fazer uma afirmação dessas. Posso no entanto afirmar, que sempre que a palavra bagel aparece, associo ao filme. Sempre que num outro filme vejo comer bagels, vem-me à memória a imagem do “Querido” a oferecer bagel, molhado em café à Lady. Eu não sei se é o gesto, ou o facto de haver comida à mistura, não sei… às vezes acho que tenho um desvio qualquer no cerebro, que me faz pensar tantas vezes em comida. A verdade, é que quando Bagel aparece, eu não penso:”Oh que saudades, das minhas tardes a ver a Dama e o Vagabundo”, pelo contrário eu penso:”que bom seria, um bagel molhado em café… a cadelinha adorou e os donos dela são muito felizes ao pequeno almoço”. Incrível, eu sei.

Pois bem, há uns tempos, num dos meus muitos livro de receitas, aparecia lá a receita dos bagels. Ora eu, seguida pelo pensamento da felicidade, decidi experimentar fazer os bagels. Segui a receita à risca. Fiz tudo, no entanto a massa não levedou. Julgo também que escolhi o pior dia para os fazer, a paciência não me estava a assistir… Ou seja, depois de todo o processo o resultado foi deplorável. De verdade, horrível. Quentes eram bons, até porque eu coloquei raspas de chocolate por cima, e claro, com chocolate tudo marcha. Agora frios?? Não encontro palavras para descrever… A verdade é que extraí a vontade do bagels do meu sistema.

No entanto, e recuando ao post anterior, o ultimo livro que li fala muito em pão e até traz receitas no fim. Pois bem, imagina só o que foi que ela decidiu cozinhar um dia?! Se pensaste em bagels, acertaste, foi precisamente isso, bagels. Novamente, a Lady a comer o seu bagel molhado em café. Ou seja, o que foi que eu fiz?! Exactamente, bagels. Desta vez ficaram, fofos e muito muito saborosos. Mas não meti chocolate, meti queijo e chouriço.

Acho que vou tornar esta receita de bagels um elemento fulcral pelo menos uma vez por mês. Nunca se sabe se não vou ter um dinner com café de saco e bagels!

English Version

My favorite Disney movie is Lady and the Tramp. Honestly, don’t know what I like the most in the movie, the fact that it is a story about dogs, or the fact that dogs talk or the fact that the family of Lady treats her as a family member. For example, providing Lady a bagel! It was here that I wanted to get, the bagels!

Are bagels good?! Are they bad ?! Are they so-so ?!

Let’s see, don’t know … mine taste good, but the real ones? Those who leave any American drooling ?! I don’t know… I have never eaten a real bagel. However, the image of the “donut”, wet in the coffee, at the movie, makes me stay with mouthwatering…

I will not say that I am since 1990/1991 drooling  for a bagel. I can’t make such sentence. I can however say, that whenever the bagel word appears, I associate it with the movie. When in an other movie I see eating bagels, to my mind comes the image of “Dear” offering a bagel, wet in coffee to Lady. I do not know if it’s the gesture, or the fact that there’s food in the mix, I do not know … sometimes I think I have a deviation whatsoever in the brain, which makes me think so often about food. The truth is that when a Bagel appears, I do not think, “Oh I miss, my afternoons watching Lady and the Tramp”, on the contrary I think, “what a taste would be a bagel wet in coffee … the puppy loved it and the owners are very happy at breakfast. ” Incredible, I know.

Well, a while ago, on one of my many recipe book, I found a recipe of bagels. So I, followed by the thought of happiness, decided to try making bagels. I followed the recipe. I did everything, however didn’t left the dough time enough to grow. I also believe that I picked the worst day to do bagels. That is, after all the process the result was deplorable. Really, horrible. Hot was good, because I put chocolate chips on top, of course, with chocolate everything is eatable. Now cold?? I can’t find words to describe it … The truth is, that I took the bagels out of my system.

However, and going back to my previous post, the last book I read talks a lot about bread and even brings revenue at the end. Well, just imagine what it was that she decided to cook one day?! If you thought of bagels, you hit, it was just that, bagels. Again, Lady eating her bagel soaked in coffee. That is, what have I done?! Exactly, bagels. This time were, cute and very very tasty. But this time, no chocolate. Cheese and chorizo!!! Hmmmm.

I think I’ll make this recipe bagels a key element at least once a month. One never knows when opening a dinner with bagels and coffee, is a solution!

BAGELS (receita retirada de Pão, mel e amor de Jenny Colgan)

O que vais precisar?

  • 4 chávenas de farinha para pão;
  • 1 colher de sopa de açúcar;
  • 1,5 colher de chá de sal;
  • 1 colher de sopa de óleo vegetal;
  • 1 pacote de fermento de padeiro (dos pequeninos);
  • 1+1/4 chávena de água tépida;

Como vais fazer?

  1. Desfaz os ingredientes todos na água, menos a farinha;
  2. numa bacia coloca a farinha, faz um buraco no meio, e verte a mistura anterior. Mistura tudo muito bem, até fazer uma massa. Amassa durante uns 10 minutos.
  3. Deixa repousar num local quente por 1h. Deixa crescer;
  4. Ao fim deste tempo divide em bocadinhos, e enrola a massa e depois liga-a e forma uma argolinhas, como neste video https://www.youtube.com/watch?v=uRBkgTnPNPk
  5. Repete isto para toda a massa e deixa repousar por mais 20 minutos.
  6. Ao fim deste tempo, liga o forno nos 150º e coloca uma panela de agua ao lume para ferver;
  7. quando a água estiver a ferver, começa por colocar os bagels na água, 1 minuto, para insuflarem e cozinharem. Depois retira e coloca num tabuleiro de forno. Repete isto para todos;
  8. Agora colocas sobre os bagels os que quiseres, eu coloquei queijo nuns e chouriço noutros, podes por sementes de sésamo;
  9. Depois de todos os bagels já terem sido abençoados por queijo/chouriço/sementes de sésamo, leva-os ao forno por 10 minutos;
  10. Deixa arrefecer e come-os com vontade!

WP_20160106_20_20_00_ProWP_20160106_20_20_23_Pro (2) (1)

 

O conforto hoje soube-me a trouxas de carne

Versão Portuguesa

Esta coisa de ter um cão e um gato tem mexido com o meu sono. Digo isto de ânimo, muito pouco leve. Até porque, ao fim de alguns dias a conviver com estes relógios ambulantes, já nada é feito de ânimo leve. É mais feito de olhos pesados e corpo cansado.

Quando aceitamos ter a Lili (a gata), a intenção não era tê-la cá em casa. Era mante-la na aldeia, porém, as condições tornaram-se adversas, e a gata teve de vir para a cidade. Veio viver com o seu cão, e com mais um grupo de estranhos que lhe dão comida TOP e muita atenção. No início, para o cão da Gata, tudo foi dramático. De tal forma, que ele acabou nas urgências veterinárias a ser examinado. Quanto à gata do Cão, a essa nada lhe custou. Foi conquistando o seu espaço, como se fosse D. Afonso Henriques. Inicialmente dormia na cozinha, depois começou a abrir os olhos, como o Gato das Botas do Shrek, e num fim-de-semana em que eu não estava, os meus pais deram-lhe tudo. (Tenho para mim que se ela fosse uma borlista, neste momento, nem cidade nem aldeia. Vivia debaixo da ponte.) Dar-lhe tudo, significa podes ir para qualquer parte da casa menos ao último piso. Porque é lá que estão os 7 pássaros. Ora, o fruto proibido é sempre o mais apetecido, escusado será dizer, que ela já por várias vezes que foi apanhada com as patas nas gaiolas e a língua a lamber o focinho. Gata malvada… Eu digo gata malvada, porque ela tem feito do Leo, um escravo Egípcio. Ele bem se revolta, mas duvido que alguma vez se dê ao trabalho de atravessar o deserto. Este Leo, é um subjugado à gata. Eu ainda não entendi porquê. Ele mora nesta casa à 4 anos, toda a gente o adora, até os vizinhos. No entanto, no que toca à Lili ele é um manso. Ela ferra-lhe as patas, ela faz do rabo dele, cabeleira, ela salta por cima dele e agarra-lhe o focinho. O que faz o Palerma?! Precisamente, nada ou então ronca… É revoltante ver um cão, ser subjugado a uma amostra de gato. O problema maior é, todos nós estamos subjugados à Lili…

Chegamos assim ao início desta conversa. A Lili tem um relógio interno. Desde que lhe abriram as portas da casa, ela tirou o Leo da minha cama para poder dormir nela. Ou então o Leo cedeu-lhe a minha casa para não ser assediado. Desde então todos os santos dias, mas todos mesmos, eis que às 7 da manha, ela levanta-se, espreguiça-se e vem ao encontro da minha cara. Senta-se muito quieta e fica a olhar. O relógio desperta, eu digo bom dia, calo o relógio e ela encaminha-se para os meus pés e começa a ferrar. Eu afasto o pé e ela começa a fazer asneiras. Anda pela mobília do quarto a meter tudo ao chão, até eu perder a paciência, e levantar-me. Depois de levantada já não há volta a dar. A gata tem fome e já acordou o cão, da forma mais doce que existe…. Ferrando-o. O cão, desce as escadas numa corrida só e vai para a  porta da cozinha, bater na porta para fazer o seu xixi matinal, e a gata enleia-se nas minhas pernas porque a malga de comida dela está vazia… Com isto, devo admitir que gastei pelo menos 50 minutos. Ou seja, quando finalmente me sento para tomar o meu café da manhã, já o relógio está prestes a dar 8h e eu tenho de sair… Bom dia, digo eu a mim mesma…. Pego na mala, vou para o trabalho.

Hoje andava nos meandros da internet, quando me deparei com umas trouxas de carne, com aspecto muito suculento. Não sei de que forma o meu cérebro, correu para a minha manha de hoje. Que foi exactamente, como a que aqui descrevi. Pensei então, na sorte que tenho, por ter uma família incrivelmente estranha, um cão e uma gata que me massacram. 7 Pássaros, que mal sentem a entrada do sol, já não se calam. Senti-me aconchegada. E porque o aconchego neste momento me soube a trouxas de carne, é precisamente isso que trago. Trouxinhas de carne, em louvor de todos aqueles, que como eu têm uma família tudo menos comum e no entanto sentem que estão no sitio certo!

English version

Having a dog and a cat, messed with my sleep. I speak not freely of mind, because, after a few days living with this clocks, nothing seems freely to me.

When we accept having to Lili (the cat), the intention was not to have it here at home. It was to keep it in the village, however, the conditions become adverse, and the cat had to come to town. She came to live with her dog, and with a group of strangers that give it great food and lots of attention. In the beginning, everything was dramatic, for the Cat’s dog. So, he ended up in the veterinary emergency room being examined. As for the Dog’s cat, it didn’t cost him nothing. It was conquering space, like D. Afonso Henriques. Initially, it slept in the kitchen, then began to open its eyes as Shrek’s Puss in Boots, and then during a weekend of, my parents gave it everything. Give it all, means it can go anywhere in the house less penthouse. Because that is where 7 birds cages are. As you know, the forbidden fruit is always the most wanted, needless to say, she was repeatedly caught with its paws in the cages and tongue licking his nose. Evil Cat … I say evil cat, because she has made of Leo (the dog), an Egyptian slave. He feel angry, but I doubt he would ever bother to cross the desert. Leo is a subjugated to the cat. I still do not understand why. Leo lives in this house for four years, everybody loves him, even neighbors. However, when it comes to Lili he is a silly. She bites his paws, she makes his tail like a wig, she jumps over him and grabs his nose. What does the silly Leo do ?! Precisely, nothing or else he snores at her … It’s sickening to see a dog, being subjugated to a sample of a cat. The biggest problem is, all of u, the adult humans, are subjugated to Lili …

So we come to the beginning of this conversation. Lili has an internal clock. Since they opened the doors of the house, she took Leo from my bed to be able to sleep in it. Or Leo gave her my home to avoid being harassed. Since then all days, at 7 am, she gets up, stretches and meets my face. She sits very still and stares at me. The clock rings, I say good morning, shush the clock and she forwards to my feet and begins to bite my toes. I pull my foot away and she starts making trubles. Walks through the bedroom furniture to put everything on the floor until I lose patience and get up. After being up, I no longer sleep. The cat is hungry and has already waked the dog, in the sweetest way…. biting him. The dog, runs down the stairs and goes to the kitchen door, knocks on the door to make his morning pee, and the cat, she is around my legs because her food bowl is empty … With this, I must admit I spent at least 50minutos. That is, when I finally sit down to take my breakfast it is about 8am and I have to leave … Good morning, I say to myself …. Caught my bag, I leave to work.

Today I was wondering around internet, when I came across little meat pies, with very juicy aspect. I do not know how my brain went for my morning today. Which was exactly like the one I described here. Then I thought, how lucky I am for having an incredibly strange family, a dog and a cat bother me. 7 Birds, who barely feel out the sun, no longer get silent. I felt cozy. And because the warmth at this time knew me in front of meat pies, that is precisely what I bring. Meat pies, in honor of all those, who like me, have a family anything but ordinary and yet feel that they are in the right place!

FB_20150903_21_16_55_Saved_Picture

TROUXAS DE CARNE (serve 4)

O que vais precisar?

  • 1 rolo de massa quebrada;
  • 150gr de presunto, cortado em pedaços pequenos;
  • 4 fatias de queijo;
  • 4 colheres de café de orégãos;
  • 4 tomates cherry

Como vais fazer?

  1. Liga o fogão a 200º.
  2. Divide o rolo de massa quebrada em quatro;
  3. Corta os tomates em rodelas pequeninas;
  4. Enrola as fatias de queijo e corta-as também em pequenas rodelas;
  5. Em cada pedaço de massa quebrada, dispõe os orégãos, depois o tomate, de pois o queijo e por fim o presuntos.
  6. Fecha o pedaço de massa quebrada como se fosse um embrulho;
  7. Leva ao forno num tabuleiro bem untado com azeite;
  8. deixa assar até ficar louro.

Come e saboreia a sensação de conforto!

WP_20150916_19_55_11_Pro

WP_20150916_20_21_37_Pro

Picada pelo bicho da preguiça….

Versão Portuguesa

Antes de qualquer paragrafo, quero justificar que não fiz post nenhum a semana passada porque fui mordida pelo bicho da preguiça. Foi tudo muito rápido. Eu estava em mim e depois já não estava em mim. Eu arrastei-me até ao computador, mas depois não consegui. Parece que ainda sinto os efeitos da picada. Julgo que foi durante a noite… Estava eu concentrada no meu mundo romântico, que é como quem diz nos meus sonhos pouco recomendáveis, e eis que fui picada. Na verdade eu não senti nada, mas eu sei que fui picada, porque essa é a forma dos bichos nos infetarem de veneno. Alem disso no dia seguinte, eu estava “que nem podia”, expressão que aprendi não sei onde, mas que adoro aplicar. Resumidamente, estive o dia todo a jiboiar*, menos na cozinha.

No domingo calhou-me a mim ser a sopeira de serviço. Sopeira sim, porque eu até um creme de ervilhas fiz. Enfim, tratei do almoço e do lanche ajantarado de todos cá em casa. Ao almoço, fiz bifes de peru recheados. Enquanto os fazia, pensei que era mesmo uma boa receita para colocar no blog, se ficassem saborosos. Porem, como já expliquei comecei a sentir os efeitos da picadela do bicho da preguiça. Iniciei assim o ritual de jiboiar, fui do sofá para o quarto e depois novamente para o sofá e novamente para o quarto… Foi precisamente isto, numa tarde de 7h, passei o tempo todo a preguiçar e a exercitar as pernas, movimentando-me de ninho para ninho… Quando tomei consciência da parvoeira, já era fim de tarde e nem o blog estava actualizado, nem eu estava satisfeita. Por isso, para libertar frustrações, acabei novamente na cozinha… Que rico domingo.

Para bem/mal de mim, na segunda feira encontrei o world baking day da Vaqueiro, não resisti à dormência que já começava a sentir nas extremidades, e como muitos outro, participei com uma receita e uma dedicatória, que é praticamente o que faço neste espaço. Ou seja tenho andado a semana com ideia que fiz o meu post da semana, até porque nas redes sociais a minha tarte aparece com cara de nova receita de blog…

Já agora, por favor se tiveres oportunidade passa lá no site e vota, que o prémio dava-me muito jeito, para bater fantasticas claras em castelo. Ou então desenvolver a minha capacidade de fazer suspiros… http://www.vaqueiro.pt/worldbakingday2015#campaign-frame=/receita/965ff375-b562-46bc-8167-d909f6bcb924

(ps: para votar, carrega-se onde diz vote aqui!)

*jiboiar- passar o dia de barriga para o ar sem fazer nada de útil

English version

Before any paragraph, I have to say that I didn’t post anything last week because I was bitten by the bug of laziness. It was all very fast. I was in me then was no longer me. I dragged myself to the computer, but then I couldn’t do a thing. It seems that I still feel the effects of the bite. I think it was at night … I was dreaming with my romantic world, meaning that I was evolved on a not so talkable dream, suddenly I was bitten. Actually I did not feel anything, but I know I was stung, because that’s the way bugs inject the venom. In addition, the next day, I was drunk with laziness except in the kitchen.

Sunday was my day to be the cooker. Anyway, I took care of lunch and early supper. At lunch, I stuffed turkey steaks. While doing them, I thought it was a good recipe to put on the blog, if they were tasty. However, as I explained I began to feel the effects of the bite. So I started my snuggling ritual, going from the couch to the bedroom and then back to the couch and back to the room … It was precisely this, on a 7hour afternoon, I spent all the time to laze around and exercise my legs, walking myself from nest to nest … When I became aware of such stupidity, it was too late and the blog was not updated, nor was I pleased. Therefore, to release frustrations, I went back in to the kitchen … What a Sunday.

For good / bad, on Monday I found the world baking day of Vaqueiro, I could not resist the numbness on my fingers, and like many others, attended with a recipe and an inscription, which is pretty much what I do in this space. Unfortunately this gave me the impression of having written a post here, because on social networks my pie appears facing like a new blog revenue, that’s also why during the week i haven’t write a piece.

By the way, please if you have chance going there on the site and vote, the award is a kitchen robot that helps the world mixing the most amazing egg whites. Or even will help me develop my ability to make meringue nests … http://www.vaqueiro.pt/worldbakingday2015#campaign-frame=/receita/965ff375-b562-46bc-8167-d909f6bcb924

(Ps: to vote, is loaded when clicking where it says vote here!)

 

BIFES DE FRANGO RECHEADOS

O que vais precisar?

  • 1 bife de frango por pessoa;
  • Queijo cheddar, duas fatias por bife;
  • Cogumelos portobello/marron, 3 por pessoa;
  • 3 dentes de alho;
  • Natas para bifes;
  • Queijo mozarella fresco
  • azeite, sal, pimenta, qb.

Como vais fazer?

  1. Tritura os cogumelos com o alho, formando uma pasta;
  2. Numa frigideira, sem ponta de gordura, coloca a pasta dos cogumelos, para desidratar, até não ver mais água;
  3. Assim que pronto reserva;
  4. Bate com o martelo de carne, nos bifes para que fiquem mais finos e mais esticados;
  5. Assim que pronto coloca sobre o bife as duas fatias de queijo e por cima a pasta de cogumelos;
  6. Enrola bem e com um palito prende; Repete o processo para todos os bifes;
  7. Liga novamente a frigideira e coloca 1/2 colheres de azeite;
  8. Assim que estiver quente, frita os bifes enrolados, por 3 minutos;
  9. Assim que prontos reserva e adiciona aos sucos sobrantes na frigideira, as natas para bifes, 1 copo de vinho branco e um caldo de bifes;
  10. Assim que o molho reduzir e engrossar reserva;
  11. Pega numa assadeira e unta com um pouco de azeite, dispõe os rolinhos todos, rega com o molho e cobre os bifes com o queijo mozarella;
  12. Leva ao forno por 15minutos;
  13. Assim que pronto serve acompanhado de batatas fritas ou arroz branco.

WP_20150607_12_46_03_Pro WP_20150607_12_50_48_Pro

Dia da mulher….

EM PORTUGUÊS

Pois bem, Dia Internacional da Mulher. Eu posso parecer cínica ao dizer o que se segue, mas a opinião e a liberdade de expressão não me é negada. Longe vai o tempo, em que falar, sem olhar por cima do ombro era um loucura tremenda.

Eu tenho 27 anos e dois meses, julgo que só tomei consciência deste dia há uns 10/12 anos atrás. Até então, levei sempre a minha vida, inconsciente da importância de se ser mulher. Para mim, a diferença entre homem e mulher, estava simplesmente na destreza física e também na constituição corporal. Uma mulher fazia o mesmo que um homem e vice versa, desde que se propusesse a tal. Com excepção de dar à luz, feito único que nasce connosco. Contudo nem o facto de sermos predispostas a dar à luz faz das mulheres seres mais meigos e doces. Muitas de nós, pura e simplesmente, não sentem o chamado instinto maternal. Ou seja o mundo é coabitado por 2 tipos de seres humanos, o homem e a mulher. E como tudo na natureza, estes dois complementam-se. Fisicamente e psicologicamente. Pois bem, se a mãe natureza se esforçou tanto para elaborar duas criaturas que permitem o crescimento de uma sociedade, porque é que diariamente ligamos a televisão e ouvimos coisas como, “6 mulheres mortas desde o inicio do ano, por violência doméstica”? Atenção, quero deixar aqui ciente, que me estou a basear em noticias que ouço, eu sei bem que existem muitos homens arruinados pela insanidade feminina. O que quero insinuar, é o facto de a desigualdade ser de tal forma gigante que diariamente existe uma luta entre pares e iguais. Homem e Mulher foram criados para dar vida ao mundo e no entanto o que acontece não é bem assim… Não compreendo o porquê destes comportamento irracionais.

Ontem estava a tomar café e a ler noticias e encontrei uma, que fala das violações massivas na Índia. Nesta, o violador diz que as mulheres devem de se deixar ser violadas, visto que se andam à 9 da noite na rua é porque desejam ser violadas. (Isto não é transcrito, isto é apanhado da minha memória). Quando eu leio isto sinto um sabor agridoce. Penso automaticamente na criação de um dia para celebrar a existência da mulher, num mundo cínico que não a respeita.

De que serve a toda nós, mulheres, mães, namoradas, amantes, tias, avós, filhas e amigas, ter um dia que festeja a nossa existência se o mundo não está preparado para nós?! Esta semana, perante o cenário de que só em 2086 as mulheres ganharam tanto como os homens, o meu pai perguntou-me: “que tens a dizer sobre isto?” Eu fui honestas e disse:” quero que os meus filhos sejam homens, porque o mundo não está preparado para as mulheres!”

Ter um dia que festeja a beleza e doçura feminina mas que em nada muda as discrepâncias do mundo, não vale de nada. É um dia infundado. Uma revolução que nunca saiu do papel!

Em resumo, eu sou feliz por ser mulher mas infeliz por não me respeitarem como profissional num mundo de “homens”. Sou feliz por ter amor dos meus homens de selecção, mas infeliz porque infelizmente nem todas as mulheres têm a mesma sorte que eu. Sou feliz por ser uma mulher culta e formada, mas infeliz porque muitas de nós nunca souberam ou saberão o significado das letras. Sou feliz por ser mulher, mas recuso-me a festejar um dia que só tapa o sol com a peneira.

Uma vez mais perdoem-me a honestidade. Lutem pela igualdade e não por um dia incoerente!

https://www.youtube.com/watch?v=aC8Ls-5nRxM

Deixando-me de desabafos, hoje trago os fofos de queijo. Uma das mulheres da minha vida pediu e eu fiz o agrado. Mãe, obrigada por seres a minha mais assídua comentadora de blog, mesmo as vezes comentando em meu nome…

IN ENGLISH

Well, International Women’s Day. I may sound cynical to say the following, but freedom in words ain’t denied to me. Gone are the days in which speaking, without looking over the shoulder was a tremendous madness.

I’m 27 years and two months. I think that I only became aware of this day 10/12 years ago. Until then, always took my life, unaware of the importance of being a woman. For me, the difference between man and woman, was simply the physical skills and also body constitution. A woman would do the same as a man and vice versa, if they wanted to. Apart from giving birth, a thing that born with us. However, neither the fact that we are predisposed to give birth makes us gentle and sweeter. Many of us simply do not feel the what so called maternal instinct. The world is co-habitated by two gender’s man and women. And like everything else in nature, these two complement each other. Physically and psychologically. Well, if Mother Nature worked so hard to produce two creatures that allow the growth of a society, why daily  we turn on the television and hear things like, “6 women killed since the beginning of the year for domestic violence”? Attention, I leave here aware, that I am based on news I hear, I know well that there are many men ruined by female insanity. What I imply, is that inequality be such giant so that there is a daily struggle between peers and equals. Man and woman were created to give life to the world and yet what happens is not so … I do not understand why these irrational behavior.

Yesterday I went for a coffee and while reading news I found one that speaks of massive violations in India. In this, the rapist says that violating women should be allowed, because if they walk at 9 pm on the street is because they want to be raped. (This is not transcribed, this is picked up from my memory). When I read it I feel a bittersweet taste. I automatical thought was “creating a day to celebrate the existence of the woman, in a cynical world that do not respect it.”
What good is all we. women, mothers, girlfriends, lovers, aunts, grandmothers, daughters and friends, have a day that celebrates our existence if the world that is not ready for us ?! This week, hearing that only in 2086 women will earn as much as men, my father asked me, “what do you have to say about this?” I was honestly said, “I want my children to be men, because the world is not ready for women!”
Have a day that celebrates the beauty and feminine sweetness but that does not alter the discrepancies in the world, not worth anything. It is an unfounded day. A revolution that never got off the paper!

In summary, I am happy to be a woman but unhappy for not respecting me as a professional in a world of “men”. I’m happy to be loved by my men selection, but unhappy because unfortunately not all women have the same fate as me. I am happy to be an educated and formed woman, but unhappy because many of us never knew or know the meaning of a letter. I’m glad to be a woman, but I refuse to celebrate a day that only covers the sun with a sieve.

Once again forgive me honesty. Fight for equality and not an incoherent day!

https://www.youtube.com/watch?v=aC8Ls-5nRxM

Leaving me of outbursts, today I bring “cute cheese”. One of the women in my life asked for and I did it. Mother, thank you for being my most frequent blog commentator, even sometimes commenting on my behalf …

FOFOS DE QUEIJO

O que vais precisar?

  • 2 colheres de sopa de manteiga;
  • 1 colher de café de sal grosso;
  • 200ml de água;
  • 150gr de farinha,
  • 4 colheres de sopa de queijo ralado;
  • 3 ovos inteiros;

Como vais fazer?

  1. Num fervedor, derreter a manteiga com a água e o sal;
  2. Quando estiver liquido, adicione a farinha e misture muito bem.
  3. Troque para uma bacia adicione o queijo e mexa novamente;
  4. Deixe arrefecer um bocadinho e adicione os ovos;
  5. Ligue a frigideira e quando o óleo estiver bem quente, comece a fritar os fofinhos;
  6. com auxilio de duas colheres, faça pequenas bolinhas e coloque na frigideira;
  7. Quando estiver com cor, retire e coloque sobre papel absorvente;
  8. Polvilhe com alho em pó e orégãos e sirva.

Cá em casa fez sucesso!

CAM00462 CAM00465