Eu num curso de culinária?! parece que sim….

Depois de várias conversas, na bancada do campo do campo de futebol onde os nossos namorados jogavam, eu caí na particular asneira de contar à minha prima Regina que gostava de fazer um curso do tipo cake design. Daquelas coisas que tu dizes naturalmente, sem pretensões nem pressões.

Um dia a minha prima Patricia aliciou-me num concurso do continente, onde poderia sugerir uma das minhas receitas. Por cada fase que passasse, o cartão continente da minha mãe tornava-se mais recheado. Como não tinha nada a perder, enviei uma receita. Ganhei €50, mas não cheguei a ir à praça da Alegria…

A dada altura do mês de Janeiro, recebi uma sms a dizer que tinha sido seleccionada para a primeira fase do masterchef. No inicio pensei que estavam loucos, depois descobri que tinha sido a minha irmã Marta a inscrever-me… Fiquei um bocado chateada, porque eu não sou nem chego aos calcanhares dos aspirantes a Chef, eu faço comida simples e prática… e para mim. Bem, o Rui disse que eu não tinha nada a perder que ia comigo, também acabei por arrastar o Diogo, a Raquel e a Andreia para a loucura. Não passei à fase seguinte, mas também não fiquei triste, porque nesse fim de semana fui à hambúrgueria do Bairro.

Perante este cenário tu pensas, espero honestamente que tenhas ganho juízo e desistido da cozinha… Pois aí é que tu te enganas… Em Dezembro passado, aquando do meu vigésimo sexto aniversário, o meu vasto grupo de amigos uniu-se para me oferecer um presente especial. Um cheque prenda para um curso à minha escolha numa escola de culinária… A sensação com que fiquei foi, oh eles afinal não gostam dos meus cozinhados… Afinal, segundo os meus investidores, eles só queriam que eu aperfeiçoasse as minhas qualidades para tornar os jantares entre nós ainda mais deliciosos. Eu dei-me por vencida, até porque era uma coisa que eu gostava muito de fazer. Tenho de confessar que toda esta tramóia foi organizada pela Regina, quase contada pela Marta e rapidamente desmentida pelo Rui… Raios todos em conluio nas minhas costas…

Logo no dia seguinte, fui pesquisar sobre a escola, que cursos tinham… Enfim fiquei apaixonada, escolhi logo o que queria… porém o tempo foi passando e a oportunidade de ir fazer o curso nunca mais aparecia. Foi então que durante este “verão”, vi que a escola tinha um curso para iniciantes de cozinha e pastelaria. O preço estava dentro do meu cheque prenda, a matéria tinha muitas coisas que eu já faço, mas muitas que nunca experimentei. Ou seja, liguei à Rosa, a senhora que trata das burocracias da minha nova escola e ela disse que havia vagas, inscrevi-me instantaneamente. Tenho andado numa excitação crescente com o inicio das aulas, até mandei um email à Rosa para saber se tinha de levar um avental, um caderno, qualquer coisa. Ela prontamente disse que não, eu lá no fundo fiquei um pouco desiludida… Bolas, nem um caderno preciso de comprar?!

Finalmente, na passada terça-feira chegou o dia. Foi DEMAIS! Os colegas são todos simpáticos, o Chef é super descontraído e falador. A Rosa é um doce e eu adorei tudo. Desde a forma como o Chef nos ensinou as pequenas coisas das receitas, à readaptação de receitas, enfim foi demais. Primeiro temos uma parte teórica, depois cada um pega numa receita e elabora-a. A mim calhou a mousse de chocolate, o que foi muito bom porque finalmente pude utilizar uma daquela batedeiras gigantes. Não é kitchenAid, mas é como se fosse. Ou seja, finalmente bati claras em castelo nunca gigante batedeira… tão incrivel, é como se as claras se tornasse pedaços de nuvem… Que loucura. No fim tivemos de experimentar tudo o que cozinhamos… esta foi a parte dramática devido à minha actual condição… Mas eu provei de tudo e depois fui a correr para o comboio… Foi como se não tivesse ingerido nada… ou assim eu sonho!

Resumindo e concluindo, tenho andado desde terça feira a pensar numa receita, que se baseie no que aprendi no primeiro dia, e ao mesmo tempo agrade aos que contribuíram para a minha nova formação. Então pensei num bolo de pêra, noz e geleia…. Não fazia ideia se resultaria ou não, mas como quem não arrisca não petisca experimentei. O resultado pelos vistos valeu a pena… porque parte do bolo já se foi!

Aproveito para dizer que a minha nova escola se chama Segredos d’Avó (http://www.segredosdavo.pt)

Também quero agradecer aos meus amigos , mais uma vez pelo presente. Ainda só fui uma vez mas estou a adorar!!!

Regina, Tiago, Cris, Micael, Helena, Ricardo, Diogo, João e Milai.

BOLO DE PÊRA NOZ E GELEIA

O que vais precisar?

  • 270g de ovos (5 tamanho L);
  • 230g de açúcar;
  • 70g de geleia;
  • 160g de farinha;
  • 70g de miolo de Noz grosseiramente triturado;
  • 80gr de Óleo;
  • 130g de Pêra cortada em pedaços finos e sem pele;
  • 20g de fermento

Como vais fazer?

  1. coloca os ingrediente todos numa bacia na ordem apresentada;
  2. mexe com uma colher de pau até deixares de sentir o açúcar. Ou então, mexe com a batedeira até sentires que a massa se encontra bem misturada;
  3. Unta uma forma com manteiga e polvilha farinha;
  4. Verte a massa do bolo para a forma e leva ao forno a 150º por 30 minutos. Se começar a queimar a superfície coloca papel de alumínio por cima para não queimar;
  5. Quando estiver cozido, retira o bolo do forno, desenforma e polvilha a superficial com açúcar em pó e raspas de chocolate de leite.

WP_20140918_12_00_24_Pro WP_20140918_12_01_31_Pro WP_20140918_12_01_52_Pro

Hábito com sabor a pêra e noz

Estou sentada no hospital e estou a ler as informações que passam no televisor de aviso de vez, e eis que diz qualquer coisa como, a fruta é um elemento muito importante na nossa alimentação. O meu cérebro vagueia e faz-me lembrar o meu ultimo bolo de fruta… devo confessar que não há melhor forma de comer fruta do que quando ela está integrada num bolo… pois bem o meu ultimo bolo de fruta foi de pêra e noz. Este bolo remete-me para um vício que adquiri e é por isso que hoje escrevo. Para contar esse meu vício.

Aos Domingos de manhã, depois de sair da missa com os meus pais, nós temos o hábito de ir tomar café em família, por norma somos só 4 mas ás vezes a minha tia Dália e as filhas vêm e noutras vezes vem a Meninha, resumindo à Domingos que somos 8 à mesa… era uma festa no café que costumávamos frequentar… e já sabíamos que podia não haver missa, mas café havia de certeza… isto até parece anti-Cristo, mas havia um padre na minha freguesia que dizia que ás vezes era melhor conversar e socializar do que ir à missa. Tudo corria bem até ao dia que os donos do café decidiram fecha-lo ao domingo de manhã, para mim foi partir-me o coração, tantos anos de café domingueiro e sem aviso prévio tiraram-me aquele hábito e prazer. Ainda demoramos algum tempo até encontrar um novo pouso, e foi então que encontramos uma pastelaria à beira mar, juntava o útil ao agradável, um sitio onde podíamos socializar e ao mesmo tempo adquirir pão para o dia de preguiça domingueira. Contudo, e como podem ver pela minha descrição de vida, eu sou uma pessoa de prazeres, sejam eles comestíveis ou simplesmente intelectuais, e foi então que num dos Domingos decidi experimentar o pedido da Marta, queque de pêra e noz. A sensação de trincar e saborear o bolo é tao boa, que enquanto escrevo, aqui sentada no banco da sala de espera do hospital de Gaia, sou  reportada para a pastelaria enquanto como calmamente o bolinho. Realmente, existem invenções divinas. Enfim, depois daquele momento de degustação, deixei de me queixar do facto do café ter fechado ao domingo de manhã e passei a esperar pacificamente pelo momento em que chegaria à pastelaria e provaria o meu pedaço de céu.

Porem, todos sabemos que as mulheres sofrem de desejos, ou porque estão grávidas, ou porque estão a entrar em semana T.P.M. ou então simplesmente porque são mulheres e têm desejos e foi num desses dias que eu acordei e pensei, é hoje. Tenho vontade, necessidade, saudade, eu sei la de comer o meu bolo de pêra e noz. Depois pensei, Angélica Angélica, ganha juízo que depois acumula tudo na anca, já chega perderes a cabeça ao domingo e foi então que aquela voz que a certa altura diz a Jesus: ‘então se és filho de Deus lança-te deste precipício’ (não necessariamente com estas palavras), me disse: ‘Angélica, o bolo tem frutos naturais e secos, um é alimento para o corpo e outro para o cérebro’…. Eu poderia ter sido forte, poderia ter sido astuta e superior…. Mas não, eu fui fraca e deixei-me ir até à dispensa, buscar nozes, açúcar e farinha e dirigi-me para a cozinha, à gaveta das facas e comecei a cortar a pêra… que vergonha… fui uma fraca uma vendida aos desejos e à voz do mal…

Depois de cair em mim, quando o mal estava feito, eis que o bolo estava pronto à minha frente e já sem uma fatia… e já haviam fotos do resultado final…

E hoje aqui sentada a ler estes avisos para toda a comunidade, eis que percebo que o que fiz não foi assim tão errado, afinal está do lado dos conhecimentos científicos e pela teoria de galileu, está também do lado do divino, por isso hoje decidi revelar este meu momento de perdição, que afinal nada tinha de preocupante e deixo a minha versão de bolo de pêra e noz.

Bolo de pêra e noz

O que vais precisar?

  • 4 ovos
  • 200g de açúcar
  • 150g de farinha
  • 2 pêras cortadas em pedaços pequenos mas grosseiros
  • 100gr de miolo de noz, também cortado grosseiramente

Como vais fazer?

1° liga o forno a 100° e untar uma forma de bolo com manteiga;

2° divide as claras das gemas e bate as claras em castelo e reserva;

3° bate as gemas com o açúcar e com auxilio de uma colher de pau adiciona a pera e as nozes;

4° adiciona agora as claras e novamente com a colher de pau mistura bem, não mistures freneticamente senão depois o bolo fica passado.

5° adiciona agora a farinha, e novamente com auxilio da colher de pau mexe tudo, novamente. Faz isto com muita paciência senão como diz o sr. Do preço certo, já foste.

6° leva ao forno e vai testando a cozedura com o teste do palito, se sair com massa ainda demora.

7° desenforma e serve.

Imagem

Hábito com sabor a pera e noz

Estou sentada no hospital e estou a ler as informações que passam no televisor de aviso de vez, e eis que diz qualquer coisa como, a fruta é um elemento muito importante na nossa alimentação. O meu cérebro vagueia e faz-me lembrar o meu ultimo bolo de fruta… devo confessar que não há melhor forma de comer fruta do que quando ela está integrada num bolo… pois bem o meu ultimo bolo de fruta foi de pera e noz. Este bolo remete-me para um vício que adquiri e é por isso que hoje escrevo. Para contar esse meu vício.

Aos Domingos de manhã, depois de sair da missa com os meus pais, nós temos o hábito de ir tomar café em família, por norma somos só 4 mas ás vezes a minha tia Dália e as filhas vêm e noutras vezes vem a Meninha, resumindo à Domingos que somos 8 à mesa… era uma festa no café que costumávamos frequentar… e já sabíamos que podia não haver missa, mas café havia de certeza… isto até parece anti-Cristo, mas havia um padre na minha freguesia que dizia que ás vezes era melhor conversar e socializar do que ir à missa. Tudo corria bem até ao dia que os donos do café decidiram fecha-lo ao domingo de manhã, para mim foi partir-me o coração, tantos anos de café domingueiro e sem aviso prévio tiraram-me aquele hábito e prazer. Ainda demoramos algum tempo até encontrar um novo pouso, e foi então que encontramos uma pastelaria à beira mar, juntava o útil ao agradável, um sitio onde podíamos socializar e ao mesmo tempo adquirir pão para o dia de preguiça domingueira. Contudo, e como podem ver pela minha descrição de vida, eu sou uma pessoa de prazeres, sejam eles comestíveis ou simplesmente intelectuais, e foi então que num dos Domingos decidi experimentar o pedido da Marta, queque de pera e noz. A sensação de trincar e saborear o bolo é tao boa, que enquanto escrevo, aqui sentada no banco da sala de espera do hospital de Gaia, sou  reportada para a pastelaria enquanto como calmamente o bolinho. Realmente, existem invenções divinas. Enfim, depois daquele momento de degustação, deixei de me queixar do facto do café ter fechado ao domingo de manhã e passei a esperar pacificamente pelo momento em que chegaria à pastelaria e provaria o meu pedaço de céu.

Porem, todos sabemos que as mulheres sofrem de desejos, ou porque estão grávidas, ou porque estão a entrar em semana T.P.M. ou então simplesmente porque são mulheres e têm desejos e foi num desses dias que eu acordei e pensei, é hoje. Tenho vontade, necessidade, saudade, eu sei la de comer o meu bolo de pera e noz. Depois pensei, Angélica Angélica, ganha juízo que depois acumula tudo na anca, já chega perderes a cabeça ao domingo e foi então que aquela voz que a certa altura diz a Jesus: ‘então se és filho de Deus lança-te deste precipício’ (não necessariamente com estas palavras), me disse: ‘Angélica, o bolo tem frutos naturais e secos, um é alimento para o corpo e outro para o cérebro’…. Eu poderia ter sido forte, poderia ter sido astuta e superior…. Mas não, eu fui fraca e deixei-me ir até à dispensa, buscar nozes, açúcar e farinha e dirigi-me para a cozinha, à gaveta das facas e comecei a cortar a pera… que vergonha… fui uma fraca uma vendida aos desejos e à voz do mal…

Depois de cair em mim, quando o mal estava feito, eis que o bolo estava pronto à minha frente e já sem uma fatia… e já haviam fotos do resultado final…

E hoje aqui sentada a ler estes avisos para toda a comunidade, eis que percebo que o que fiz não foi assim tao errado, afinal está do lado dos conhecimentos científicos e pela teoria de galileu, está também do lado do divino, por isso hoje decidi revelar este meu momento de perdição, que afinal nada tinha de preocupante e deixo a minha versão de bolo de pera e noz.

Bolo de pera e noz

O que vais precisar?

  • 4 ovos
  • 200g de açúcar
  • 150g de farinha
  • 2 peras cortadas em pedaços pequenos mas grosseiros
  • 100gr de miolo de noz, também cortado grosseiramente

Como vais fazer?

1° liga o forno a 100° e untar uma forma de bolo com manteiga;

2° divide as claras das gemas e bate as claras em castelo e reserva;

3° bate as gemas com o açúcar e com auxilio de uma colher de pau adiciona a pera e as nozes;

4° adiciona agora as claras e novamente com a colher de pau mistura bem, não mistures freneticamente senão depois o bolo fica passado.

5° adiciona agora a farinha, e novamente com auxilio da colher de pau mexe tudo, novamente. Faz isto com muita paciência senão como diz o sr. Do preço certo, já foste.

6° leva ao forno e vai testando a cozedura com o teste do palito, se sair com massa ainda demora.

7° desenforma e serve.

Imagem