O que é que eu penso!?

Esta semana tenho ouvido imensos comentários sobre a chegada do filme “50 sombras de Grey”, tenho andado atenta a rubricas radiofónicas, entrevistas televisivas, comentários em jornais (daqueles de papel), actualizações de redes sociais… enfim, tenho devorado muitas criticas da mesma maneira que devorei a trilogia. Eu assumo, eu li os livros, eu adorei. Eu não vou, ou pelo menos não pretendo ir ao cinema ver o filme. Tudo porque receio, desde o âmago do meu ser, que acabe com todo o filme que eu própria criei durante a leitura dos livros.

Eu comecei a ler o “50 sombras de Grey”, pela altura que o zumzum chegou a este país de frente ao mar prostrado. Não me consigo recordar em que fase da minha vida estava, recordo-me de ler, numa pesquisa qualquer, que era o que andava a mexer com as donas de casa Neozelandesas. Ora, Angie não é dona de casa, mas tem uma curiosidade mórbida pelo comportamento destas formiguinhas tantas vezes esquecidas, e que trabalham diariamente pelo bem-estar da sua prole. Ora de estava a mexer com elas, pensei porque não tentar perceber o que se passa. Entrei no continente e comprei o livro. Só existia traduzido em português o primeiro volume. Trouxe para casa, li-o em 3 dias e pensei, onde posso encontrar o próximo volume!??! Descobri então que a Fnac tinha os volumes em versão original. Como sempre, o Pedro cedeu à minha insanidade e foi comigo até à Fnac e deu-se ao trabalho de procurar o que eu queria. Escusado será dizer que depois de os encontrarmos, aliás depois do empregado os encontrar, e me dar os livros (sim porque eu não queria correr o risco de ter volumes esgotados…), o Pedro olhou para mim e perguntou-me o que andava eu a ler… Contei-lhe a história, ele como me conhece bem não deu importância mas não conseguiu resistir a dizer:”tu és mesmo doida”.

Li os três livros, no fim fiquei com a sensação do foi muito bom. O envolver dos personagens, o erotismos nas descrições dos comportamentos. A forma como a E. L. James, consegue envolver o leitor. Como torna o Christian um homem imponente. Julgo que é das personagens masculinas que mais empatia me causou. A forma como a Ana cresce ao longo de toda a história. Eu adorei. A trilogia é realmente pornográfica, mas não é pornografia badalhoca. É erotismo, jogo de cintura.

Em resumo, é por eu ter venerado tanto a trilogia, e ter colocado a Andreia e a minha mãe a ler, que tenho medo de ir ao cinema ver a adaptação. Porque é isso mesmo, uma adaptação. Prefiro por isso manter-me longe da adaptação, prefiro manter a minha conexão ao original.

Vejamos o que terá “50 sombras de Grey” a ver com este blog?! muito fácil, COMIDA. Durante todos os livros, uma das preocupações do Grey é a má alimentação da Ana. Existe inclusivamente um episódio em que ela sonha com ele a dar-lhe morangos…. Hmm tão comum. Eu hoje trago precisamente isso, uma daquelas rápidas receitas, adaptadas da Nigella Lawson, com morangos, chocolate e natas. Uma amiga minha diz que esta combinação é “o sonho” eu confesso que sinto o mesmo de cada vez que como este pedacinho de céu.

PS:Parabéns ao meu “Grey” que hoje faz anos. Não tem cinquenta sombras, mas para mim faz-me perceber muito bem a Ana!

This week I have heard lots of comments about the arrival of the film “50 shades of Grey,” I’ve been following the radio lines, television interviews, reviews in newspapers (those in paper), social networking updates … Well, I have eaten the reviews the same way as the trilogy was devoured. I assume, I read the books, I loved it. I will not, or at least do not intend to go to the cinema to see the movie. All because I fear, from the core of my hart, to end with all the film I, myself, created while reading the books.

I started reading the “50 shades of Grey,” by the time zumzum came to this country near the sea planted. I do not remember in what stage of life I was, I just remember reading in a research, that it was the buzz in between New Zeland’s housewives. Now, Angie is not a housewife, but has a morbid curiosity about the behavior of these little ants so often forgotten, and who work daily for the welfare of their offspring. So, if it was messing with them, I thought why not try to understand what is happening. I entered on continent and bought the book. Only the first volume was translated in Portuguese. So, I brought it home, I read it in 3 days and thought, where can I find the next volume!??! Then I found out that Fnac had volumes in original version. As always, Pedro gave in to my insanity and walked me to Fnac and gave the trouble to look for what I wanted. Needless to say, after we find them, in fact after the employee find, and give me the books (yes because I did not want to risk having exhausted volumes …), Pedro looked at me and askedwhat I was reading … I told him the story, but he knows me so well that he gave no trouble but he could not resist saying: “you are even crazier than I thought”.

Read the three books and in the end I got the feeling that it was very good. The wrapping of the characters, the descriptions of behaviors. The way the E.L. James, can engage the reader. As for Christian, he is the real Alfa man. I think it is the male characters that more empathy caused me. The way Ana grows throughout the story. I loved it. The trilogy is really pornographic, but it is not bad pornography. It’s eroticism, waist game.

In short, because I have worshiped, and have put Andreia and my mother reading it, I’m afraid to go to the cinema to see the adaptation. Because that’s it, that is an adaptation. i prefer to keep away from the adaptation, I prefer to keep my original conception.

Let’s see… What does”50 shades of Grey” have to do with this blog?! Very easy, FOOD. For all books, one of the concerns of Grey is the poor diet of Ana. There is even an episode where she dreams of him giving her strawberries …. Hmm so common. Today I bring just that, one of those quick recipes, adapted from Nigella Lawson, with strawberries, chocolate and cream. A friend of mine says this combination is “the dream” I confess I feel the same each time, tastes like little piece of heaven.

PS: Congratulations to my “Grey” because today is his birthday. He ain’t fifty shadows, but helps me understand very well Ana!

50 PEDAÇOS DE CÉU

O que vais precisar?

  • 1 bolo de chocolates, daqueles de super-mercado;
  • 250gr de morangos;
  • 2 pacotes de natas;
  • Açúcar qb;
  • Licor de frutos vermelhos ou vinho do porto;
  • groselha;

Como vais fazer?

  1. Numa taça de vidro coloca o bolo no fundo cortado em pedaços grosseiros, cobre todo o fundo;
  2. Verte sobre o bolo, o licor e a groselha. 2,5 copos de groselha 0,5 de licor;
  3. Corta os morangos em fatias, generosas e coloca por cima do bolo;
  4. Bate as natas com o açúcar, até elas ficarem bem espessas e cobre a sobremesa;

hmmm é quase orgásmico….

WP_20150214_10_27_27_Pro WP_20150214_10_27_40_Pro

Natinhas com sabor a fado da Sina

Existem coisas que são tipicamente portuguesas, é normal, somos um país cheio de história e claro um país de fado. Um pais onde a palavra saudade não só não é traduzível como a sentimos de uma maneira mais intensa. Somos um povo sofrido, um povo que chora e se assume como tal. Um povo de raízes. Somos um povo que recebe o Júlio Iglésias de braços abertos, mesmo tendo ele uma musica sobre o bacalhau e em vez de no vídeo clip retratar a mulher portuguesa, retrata a brasileira. Somos um povo que assumiu uma revolução de cravos para deixar um regime autoritário. Somos um povo que em tempos era dono de metade do mundo (o restante era espanhol) e hoje temos este pequeno território que para muitos é conhecido como província espanhola. O mais engraçado no meio de tudo isto é que mesmo vendo toda esta injustiça, pouco ou nada fazemos para mostrar a indignação que nos persegue. Por vezes sinto até que nos escondemos debaixo da carapaça para não vermos o que nos rodeia. Eu contra mim falo, porque quando me sinto triste contra as injustiças que sofro, como jovem adulto num país que pagou a minha educação e que agora me fecha portas porque me falta experiência, ou tenho demasiada experiência, ou na verdade tenho a experiência toda mas o lugar é para outro, escondo-me n minha carapaça e vou até à cozinha fazer uma coisa boa enquanto canto um fado triste da Amália. Que cenário tão português e tão feminino… mas que ei-de eu fazer? Abandonar a minha nação? Deixar para traz os pais e restante família que tantas vezes me alimentaram? Pois provavelmente a solução é esta, solução que há tanto tempo me martela o cérebro e que há tanto tempo decidi tomar, é só esperar a onda certa. Como o Macnamara fez na Nazaré… o futuro realmente é incerto, principalmente pra quem sempre foi fora de série a elaborar planos de vida e a adapta-Los às constantes mutações. Mas eu não tenho medo, foi assim que este meu país me ensinou a lidar com a vida, só é preciso uma pá de forno para tornar possível a conquista. Assim, hoje, nesta primeiro dia de primavera, escrevo a contar que acordei com esta sensação de fado no coração, este pano roxo quaresmal que sinto a aquecer-me o coração e imagina só o que fiz para consolar a alma… Sim um doce tão nosso, tão português e tão cobiçado no mundo inteiro, Natinhas! Enquanto na minha cabeça tocava o tão bonito fado da Sina da Hermínia Silva eu fiz Natinhas. Se me sinto melhor? Obviamente, sinto-me mais leve e claro mais consolada porque já comi uma natinha.

Natinhas

O que vais precisar?

  • 200ml de natas
  • 200ml de leite
  • 4 colheres de sopa de açúcar
  • 1 pau de canela
  • raspa de limão
  • 2 colheres de farinha maizena
  • 1 rolo de massa folhada
  • 2 gemas de ovo

Como vais fazer?

  1. Liga o forno a 200º;
  2. Distribui a massa folhada por tabuleiro de cupcakes;
  3. Num fervedor colocas as natas, 100ml de leite, o açucar o limão e a canela e leva ao lume;
  4. Num copo colocas o restante leite, a farinha Maizena e as gemas e misturas tudo muito bem até ficar liquido;
  5. Quando o que está ao lume começar a levantar fervura, adiciona o que misturaste no copo e com auxilio de uma colher de pau mexe. No deixes ficar muito espesso nem com grumos, por isso não pares de mexer;
  6. Distribui o recheio pelas bases de massa folhada que já tens no tabuleiro de cupcakes;
  7. Leva ao forno e deixa que comecem a ficar queimadinhas por cima;
  8. Retira e serve. O melhor é esperares que arrefeçam.

 

Imagem

Imagem

Imagem

Faz bom proveito e deixa a Hermínio Silva cantar para ti.

https://www.youtube.com/watch?v=rdpHmj5rWl8