Atum rima com Outono!

Versão Portuguesa

E não é que chegou o Outono? Ah pois é, e com o outono veio a minha vontade de comidas de outono. Sim, a realidade é esta, comida de outono. As comidas de outono, são aquelas que comemos com camisolões vestidos e não sentimos vontade nenhuma de o tirar. Aquelas comidas, altamente calóricas, também comummente conhecidas por comida de conforto. A comida de conforto serve para os dias frios. Se bem que não me parece que o calor esteja pronto para ir embora. Pronto os dias já não sabem a verão mas sabem a uma primavera tardia. De manhã está fresco, de tarde aquece e as noites, maiores, estão fresquinhas.

Hoje enquanto me passeava nas redes sociais, eis que me deparo com a chegada da primavera no Brasil, flores de cores vibrantes e felizes. Eu poderia ter ficado afetada com esta discrepância continental. Porém, a minha verdade é que existem duas estações que me aquecem o coração, o Outono e a Primavera. Por isso, se no Brasil se colhem orquídeas roxas, em Portugal podemos comer bolinhas de atum sem pensar que mais mês menos mês temos de vestir o biquíni.

Assim sendo, espero que faça umas boas férias Sr. Verão. Quanto a nós, Sr. Outono, conto consigo para inspirações como a de hoje!

English version

What about autumn’s arrival? Oh yeah, and with autumn, my urge for autumn food. Yes, autumn food. Autumn food is the one that you eat with nightshirts dresses and do not feel gut to take it off. This food, highly caloric, also is commonly known as comfort food. The comfort food is for the cold days. Although I do not think the heat is ready to leave. Even thou, days don’t taste like summer, but like late spring. In the morning is fresh, afternoons warm up and evenings, largest than before, are cold.

Today as I was surfing on social networks, I faced myself with the arrival of spring in Brazil, with vibrant, happy color flowers. I should have been affected with this continental discrepancy. But my truth, is that there are two seasons that warm my heart, autumn and spring. So if in Brazil are harvested purple orchids in Portugal, you can eat tuna balls without thinking that in a bit we have to wear bikini.

Therefore, I hope you have good holidays Mr. Summer. As for us, Mr. Fall, hope you bring me inspirations like today!

BOLINHAS DE ATUM

O que vais precisar?

  • 1 lata de atum;
  • Igual quantidade de atum (do peso de uma lata de atum), em pão recesso;
  • 1 cubo de marisco;
  • Salsa qb;
  • Erva provençal, qb;
  • Oregãos, qb;
  • Leite, o mesmo peso do atum.
  • Farinha;
  • 1 ovo

Como vais fazer?

  1. Ferver o leite com o cubo de marisco;
  2. Escorrer o óleo, azeite ou agua do atum, e espaçar bem o atum;
  3. Quando o leite estiver morno, depois de fervido, regar o pão recesso. Deixar o pão absorver e escorrer os excessos de leite;
  4. Misturar o atum, a salsa, a erva provençal e os oregãos ao pão e fazer uma massa;
  5. Depois da massa pronta,fazer bolinhas, passar na farinha e depois no ovo. Repetir o processo até acabar a massa;
  6. Aquecer o óleo, e fritar as bolinhas.

Hmmm, comida de Outono!!

WP_20150923_19_38_07_Pro

Anúncios

A inspiração fugiu-se-me

Estou à uns dias largos atrasada no meu post desta semana. Os motivos são óbvios… falta de inspiração. Sim é verdade, até aqui a Angie, tem falta de inspiração. Juro que sou a maior critica no que toca a pessoas que dependem da inspiração para fazerem seja o que for. Porem, a minha mãe sempre me disse: “Gequinha não cuspas no prato em que comes”. Quero com isto dizer, que hoje eu sofro desta maleita designada de “falta de inspiração”. Apesar de tudo, sofro de uma outra chamada, “excesso de níveis de energia”. Não sabes o que é!? Eu explico, a maleita “excesso de níveis de energias” está associada a pessoas que até a dormir falam. A pessoas que não conseguem estar 2h sentadas no sofá sem fazer nenhum, quanto mais não seja, têm um livro aberto que vão devorando, enquanto ouvem televisão e têm o tablet aos pés, não vá acontecer ter de ir pesquisar algum termo desconhecido. Esta doença pode parecer, genuinamente, electrizante, mas não é. Acontece que as pessoas que sofrem deste atentado ao sistema nervoso central, acabam por nunca descansar devidamente, mesmo que estejam 12h na cama. Isto é, e falo agora na primeira pessoa, auto-diagnosticada, horrível. Por isto causa-me deficit de atenção, tipo a Doris no filme Nemo. Eu reconheço as pessoas, com alguma facilidade, mesmo já não a vendo à anos, mas não me consigo lembrar de conversas que tive ou ouvi… Isto causa mau estar no meu relacionamento, porque às tantas estou a repetir a mesma historia pela milionésima vez, quando para mim, é a primeira vez… A sorte é o Pedro começar a revirar os olhos e eu percebo que me estou a repetir.

Vês, já me desorientei e mudei de assunto… Bolas…

O que eu quero dizer é que a minha falta de inspiração combinada com excesso de níveis de energia, fez-me esta semana, enquanto fazia uma viagem de carro, perceber que precisava urgentemente de pensar em algo que já não comesse à muito e no entanto fosse uma coisa que eu sempre gostei. Felizmente a viagem era curta, de contrario, não só resolvia o problema como acabaria em mau estado… Porque quando se conduz, só se deve concentrar na condução, de contrário acabas numa urna, como diz o pai de uma amiga minha. Pois bem, depois de pensar, e pensar e mais pensar, cheguei ao dia de hoje. Domingo chuvoso e frio. Esta combinação leva-me ao ritual de domingo, que hoje aconteceu num espaço muito simpático que existe em Espinho, O Convento do Doces. Quando entrei e olhei para a montra, havia uma fatia de bolo mármore a olhar para mim. Nesse momento, e numa duração quase residual de tempo, percebi o que me estava a faltar. BOLO MÁRMORE. O meu dia prometia. A menina trouxe uma fatia que dividi com a marta, o bolo era realmente extraordinário. Húmido e saboroso, como um bolo deve sempre ser. O ritual fluiu e acabou. Cada um se dirigiu a sua casa e foi então que pelo caminho me recordei que hoje provavelmente as minhas ratinhas vinham cá a casa. Eu tenho um numero quase astronómico de priminhos pequeninos, contudo a Kika e a Nôno são as que cá vêm mais a casa. Eu adoro todos, mas convivo mais com estas duas e alem disso a Kika é a filha mais velha do meu primo com quem fui criada, por isso existe ali uma ligação do tipo prima-tia. Para resumir imagina lá o que eu fiz para as minhas ratinhas?! Boa, se respondeste bolo mármore és um às dos quizes. Se não, pois… nunca pensei nisso.

Quando a Kika e a Nôno cá chegaram, eu estava a terminar a massa do bolo para o colocar ao forno. Escusado será dizer, que os pais já não conseguiram sair daqui sem que o bolo estivesse pronto… Foi um momento, que a mim me soube a doçura. As minhas ratinhas e eu, sentadas no puff, à lareira a comer chupa-chupas. Enquanto isto, o Leo tentava usurpar os nossos doces e o bolo cozia no forno da cozinha cá de casa…

O bolo saiu, e o resultado está divinal. É a segunda receita que experimento do livro, “bolos” da Quimera Receita. Patricia estes presentes foram muito bem seleccionados.

Ps: Depois de um chupa-chupa, e uma fatia de bolo mármore, acho que preciso de ir participar numa maratona ou então ficar 15 dias sem comer…

BOLO MÁRMORE (adaptado de “bolos”, Quimera Receitas)

O que vais precisar?

  • 270gr de farinha para bolos;
  • 2 colheres de chá de fermento;
  • 1/2 colher de chá de sal;
  • 120gr de manteiga sem sal amolecida;
  • 200gr de açúcar;
  • 3 ovos grandes;
  • 150ml de leite;
  • 50gr de Nesquik;
  • 5 colheres de sopa de água a ferver;

Como vais fazer?

  1. Acende o forno para começar a aquecer;
  2. Unta uma forma de bolo inglês, com manteiga;
  3. Bate o açúcar com a manteiga, até a massa se encontrar bem ligada;
  4. Adiciona os ovos um a um, inteiros e misturando sempre a massa;
  5. Junta a farinha, peneirada, e o leite. Este processo faz com a batedeira em velocidade baixa e alterna entre o leite e a farinha;
  6. Separa a massa em duas tigelas, uma tigela com 1/4 de massa e outra com 2/3;
  7. mistura a água com o Nesquik e faz uma pasta maleável;
  8. Adiciona esta pasta à tigela com menos massa e mistura bem;
  9. Coloca farinha na forma já untada e verte metade da massa clara, metade da massa de chocolate, o restante da massa clara e de seguida o restante da massa de chocolate.
  10. Leva ao forno por 20 a 30 minutos, retira quando o palito já não sair com massa;
  11. Desenforma e coloca chocolate, de barra, em pedaços por cima. O calor derrete o chocolate e a cobertura depois de seca, fica crocante!

WP_20150118_17_41_56_Pro WP_20150118_17_42_11_Pro WP_20150118_17_42_22_Pro