Donuts, a minha perdição…

Versão Portuguesa

Donuts donuts donuts…. Exactamente aquilo que ultimamente tem mexido comigo. Porquê? Simples, fez um ano que estive em Londres e onde comi uns donuts tão saborosos, e tão bem elaborados que me fizeram lembrar um qualquer filme de policias Norte americano. Julgo que, de entre todas as coisas que me chamam à atenção nos policiais, são sem duvida os donuts que me fazem babar. Para mim, esta invenção é uma espécie de Graal de entre a Junk food. Junk food, porque os donuts que eu comi são tudo menos alimento recomendado, primeiro porque são comida processada e segundo porque estão cheio de corantes e afins. No entanto, eu que na altura ainda respeitava de alguma maneira a minha dieta, não fui capaz de resistir. Honestamente eu não sei denominar os sabores, sei descrever o meu comportamento depois da dentada dada… Então foi assim, o mundo parou, e a minha língua em união com as minhas papilas gustativas rejubilaram. Escusado será dizer que éramos 4 e compramos 12… Eu comi os meus três, e não sei precisar mas acho que roubei um ao Pedro… Ou seja comi 4. Tudo bem, partindo do principio que estava de férias e ainda que fui a Londres para conhecer tudo o que podia, logo caminhei muito. No entanto, tudo mal, se partirmos do principio que era um daquela proibições XXL…

O maior problema que enfrento agora no entanto, é que tenho pensado muito nos donnuts, e quando estive em Colónia, vi uma loja de Dunkin’ donuts, e obriguei-me a ignora-la… No entanto tenho dado comigo muitas vezes a recordar a publicidade, e a sentir a tristeza de não ter ido experimentar, e depois disso vem o peso na consciência por não ter provado dunkin’ donuts mas ter gasto uma avultada maquia, pelo menos do meu ponto de vista, para comer um pretzel. Não gostei nada, mas sobre isso falo noutra altura.

Ora imagina lá tu o que fiz este fim de semana? exactamente, donuts americanos. Eu segui uma receita americana, eu vou passar a receita como a fiz, no entanto deixo o link da original.

Quero ressalvar, que comi demasiados donuts este fim-de-semana, mas se voltar a passar por uma loja de donuts americanos, não me vou fazer de rogada… acho que o problema vai ser qual seleccionar!

English Version

Donuts donuts donuts …. Exactly what made me lose my sleep. Why? Simple, it’s been a year since I was in London and where I ate some donuts so tasty that reminded me just any cops movie. I think that, of all the things that draw my attention in cop’s movie, undoubtedly donuts are what makes me drool. For me, this invention is a kind of Graal between Junk food. Junk food, because donuts I ate are anything but recommended food. Firstly because food is processed and secondly because they are full of processed element. However, I, who still at that time respected somehow my diet, was not able to resist. Honestly I do not know how they were called, but I know how to describe my behavior after the first bite… So it is as if the world stopped, and my tongue in union with my taste buds rejoiced. Needless to say we were 4 and 12 buy … I ate my three, and can’t precise, but I think I stole one rom Pedro … Meaning I ate 4. Everything okay, assuming that I was on vacation and that I went to London to see everything I could, and for that reason I walked a lot. However, everything wrong, if we are based on the principle that that was a XXL prohibitions…

The biggest problem I face now, however, is that I’ve been thinking a lot in donnuts, and when I went to Cologne, I saw a Dunkin’ Donuts shop, and forced myself to ignore it … But I have found myself many times remembering the advert, and I feel sadness for not having tried it, and after that comes the guilty conscience for not having tasted dunkin’ donuts but have spent a substantial amount of money, at least from my point of view, to eat a pretzel. I did not like it, but I’ll talk about it another time.

Now, imagine what I did this weekend? Precisely, American Donuts. I followed an American recipe, I’ll pass the recipe as I did, but let the original link.

I want to accuse myself for having eaten too many donuts this end-of-week, but If it happens for me to pass through a American Donuts store, I will not keep going, I’ll stop, get in a eat… I think the problem will be which one to choose!

DONUTS À MODA AMERICANA! (Receita original)

O que vais precisar?

  • 1 ¼ copos de leite morno;
  • 10gr fermento de padeiro;
  • 2 ovos;
  • 8 colheres de sopa de manteiga derretida;
  • ¼ copo de açúcar granulado;
  • 1 colher de chá de sal;
  • 4 ¼ copos de farinha, mais farinha extra para deixar a massa mais seca;
  • Óleo e uma frigideira para fritar os donuts;
  • Recheios, eu escolhi doce de pêra, geleia de marmelo e nutela;

Como vais fazer?

  1. Numa taça, mistura o fermento com o leite e desfaz bem, com ajuda de um garfo;
  2. Numa tigela, mistura o açúcar, os ovos e a manteiga, com auxilio da batedeira. Quando estiver bem misturado, adiciona a mistura anterior e metade da farinha. Mexe bem com a batedeira. Quando a massa estiver homogénea adiciona a restante farinha, se já não der para mexer com a batedeira, transfere a massa para o balcão e mistura bem, como se fosse pão. Se depois de bem misturado, a massa ainda estiver a colar coloca mais um pouco de farinha, 2/4 colheres de sopa e mistura tudo. No fim, unta uma bacia com manteiga e coloca a massa la dentro, para crescer, durante 1h, num local quente.
  3. Ao fim de uma hora estica a massa e com a ajuda de um copo, corta rodelas, faz isso com a massa toda e deixa repousar por uns 45 minutos. Neste momento a massa vai crescer mais um bocadinho.
  4. A 10 minutos do fim, dos 45 minutos do passo anterior, prepara a frigideira, coloca-lhe o óleo, e deixa-o aquecer.
  5. Quando o óleo estiver bem quente, coloca-lhe as rodela. Conta até 45 em cada um dos lados imerso no óleo e depois retira. Repete o processo para todos.
  6. Quando já conseguires mexer no donut, faz-lhe um corte na lateral recheia com o que preferires.

Os meus favoritos foram os de nutela!

WP_20151213_19_34_15_Pro

Uma semana em terrenos de sua Majestade!

Desde a minha primeira aula de inglês, que tenho um sonho. Visitar Londres. Às tantas, ponderei  não só visitar como habitar. Ser um imigrante em Inglaterra. De tal forma que quando disse, ao fim de 18 anos a sonhar com a corrente semana, aos meus pais que ia  passar uma semana a Londres, a ideia deles voo para:” mas vais para ficar?” Eu disse que secalhar, muito descontraidamente. A sensação que tive, foi que os meus pais ficaram com um nó na garganta. Contudo não cederam, e deixaram os dias passar.

Isto aconteceu à cerca de 2 meses.

Os preparativos continuaram, e rapidamente chegamos a dia 16 de Novembro. O chamado dia D. O dia pelo qual eu tanto esperava. Eu e o Pedro. Os pais do Pedro levaram-nos ao aeroporto e 2 horas depois aqui estávamos nós em Inglaterra, o país onde a rainha manda, mas o Prime minister tem  sempre uma palavra a dar… O país que pertence à União Europeia, mas tem a sua própria moeda… muito diferente do nosso Euro… Um pais onde cada um sai à rua vestido como bem entende e eu julgo que as únicas pessoas que ficam em choque sou eu e o Pedro. Sim, porque os nossos companheiros de viagem, parece-me que já são mais ingleses que portugueses… tudo porque para eles é normal…

Por falar em companheiros de viagem. Esqueci-me de explicar que viemos para casa do Paulo e da Cátia o primo do Pedro e a namorada. Que são um dos muitos e típicos, casos portugueses que deram tudo para ser profissionais de sucesso, nas suas áreas, mas oportunidades nem vê-las e então decidiram procurar o seu lugar ao sol, na terra onde o sol raramente brilha….

A primeira reacção que tive foi: “oh minha nossa, o Paulo conduz contra a mão…”. A segunda foi: “oh meu Deus, todos conduzem contra a mão”. Depois de me ambientar, ou pelo menos explicar ao meu cérebro desleixo que na Inglaterra tudo funciona assim, descontraí, relaxei e vivi uma semana incrivel.

Quero ressalvar que comecei a escrever isto num starbucks (dos muitos que existem) em Fleet, e estou a acabar no meu escritório. Ou seja qualquer mudança temporal entre estou e estive é puramente realismo do texto!

Pois bem. Fleet é uma cidade engraçada, que às 6 da tarde se torna um lugar fantasma… Tudo fecha.

De Fleet, fomos a Aldershot, uma cidade maioritariamente habitada por Nepaleses. Tinham um Lidl. Fiquei satisfeita, mas ou o meu sotaque é horrível, ou os ingleses são pretensiosos, porque na minha cabeça soava igual ao que eles diziam, mas eles não percebiam. Neste mesmo dia, ofereci, aos donos da casa um jantar made by Angie Clouds, que é o que vou partilhar hoje.

No dia seguinte, os rapazes, tomaram o pequeno almoço britânico. Depois de tantos anos a passar férias em Albufeira, ainda não tinha conhecimento do aspecto da REFEIÇÃO… Eu recusei-me e ainda bem, porque de tarde fomos conhecer Reding, e o Pedro e o Paulo andaram empanturrados o dia todo… Afinal o Paulo ainda não é Britânico. Reding é uma cidade muito engraçada, e tem uma Anne Summers, ou seja tive de a retirar da minha lista de Londres, porque a visitei em Reding. Que loja incrivel. Aviso já que é de elevado teor sexual e direccionada para mulheres de muito bom gosto. Pelo menos é a minha opinião pessoal. Quero ressalvar, que neste dia compramos uma caixa de donuts, incríveis.

Com isto estou na terça-feira, dia 18 de Novembro. À noite o Pedro ainda sofria por causa do pequeno almoço.

Na quarta-feira fomos pela primeira vez a Londres. A cidade é magnífica e tem um peso histórico que se sente no ar que se respira. Aproveitamos este dia para fazer o famoso tour turistico. Westminster, China town, Picadilli, Soho, Covent Garden e ao fim do dia, quando as pernas estavam menos vivas que a lua que no acompanhava desde as 5 da tarde, acabamos a caminhar pelo London Bridge city Pier, em direção a Tower bidge. Foi um dia melhor do que imaginava, e ainda que a minha excursão achasse impossível eu ver tudo o que tinha planeado para aquele dia. O Pedro bem disse: “com a Angélica vocês vêm, ela não pára para comer. Nós em três dias vimos Madrid, e só usamos o metro no ultimo dia…”. Verdade seja dita, eu só parei porque a excursão precisava de comer.

De volta a Fleet, e já no dia seguinte, fizemos o merecido descanso. Combinamos porem, um jantar com um colega de trabalho do Paulo. O Paulo e a Cátia decidiram que aquele era o melhor dia para conhecermos um Pub típico e assim foi. A sensação que tive foi:” Estou de volta ao Algarve”, com excepção das baixas temperaturas, que pelos vistos só o nosso grupo sentiu. Isto porque os “nativos” andavam de top’s e t-shirts… Aqui bebi a minha primeira sidra de pêra. todos odiaram, eu adorei!

Na sexta as ferias começavam a tornar-se curtas e estávamos a ficar nostálgicos. O Paulo ficou adoentado, mas conseguimos enfia-lo num carro e ir até Winchester ver a inauguração do natal.

Sábado, voltamos a Londres. Conclui por esta altura, que hora de ponta decorre todo o santo dia de sábado. Gente sem fim. Metro cheio, autocarros atravancados, ruas inundadas. Enfim. Neste dia fomos ao Madame Tussaud, ao museu de historia natural, a Portobello Road e ao seu famoso mercado, que aparece no filme Notting Hill e quando voltávamos para casa, fomos à Winter Wonderland, na zona de Kensington. Pelo meio ficamos sem um bilhete de transportes. Contudo, o que seriam umas ferias sem perder alguma coisa?

No domingo estávamos de volta. O Pedro trazia o coração apertado, por ter deixado o primo-irmão em terras de sua Majestade. Eu trazia o cérebro cheio das bonitas coisas que vimos e fizemos. Claro que é sempre difícil despedir dos amigos, mas sabendo que estão bem, só temos de pensar positivo.

Em resumo, foi uma semana incrivel, deu para o Pedro matar saudades e deu para nós descomprimirmos. Contudo, atrasou o meu blog e por isso peço desculpa se cá vieste saber de novidades…. andava em Inglaterra a entrar no espírito natalício. Sim, porque na rádio, passam muitas musicas de Natal.

Agradecimentos? Ao Paulo e à Cátia por me receberem tão bem como receberam o Pedro. Obrigada meninos, foi uma boa semana!

O que comemos…

Comida_AutoCollage_12_Images

A excursão…

os4_AutoCollage_7_Images

MASSA E BACON (4pessoas)

O que vais precisar?

  • 600gr de massa crua, seja ela cortada, penne ou parafuso;
  • 1l de molho bechamel;
  • 300gr de cogumelos frescos;
  • 450gr de Bacon em pedaços;
  • Queijo mozarela ralado;
  • meia cebola picada;
  • 1 dente de alho triturados;
  • 4 colheres de azeite;
  • oreganos e sal q.b.;

Como vais fazer?

  1. Põe a massa a cozer, em água e sal;
  2. Numa wook, coloca o azeite o alho e a cebola e deixa refogar;
  3. Quando começar a fervilhar, adiciona os cogumelos cortados em lamina e o Bacon;
  4. Deixa fritar um pouco o bacon e quando a massa estiver Al dente, retira-lhe a água e adiciona-a ao refogado;
  5. envolve bem, coloca sal e oregaos a gosto. Adiciona o queijo mozarela, na quantidade que preferires e ainda meio pacote de bechamel e mistura tudo muito bem;
  6. Coloca o preparado numa assadeira, rega com o restante molho bechamel e leva ao forno para tostar a parte superior;
  7. Serve.

Eu acho que este é um daqueles pratos de conforto. Simples rápido e no frio do inverno, aquece a barriguinha!

 

IMG_0333

 

IMG_0332

IMG_0334

IMG_0337

 

 

Ai o que os donuts fazem a esta moça…

Para quem ainda não percebeu ontem foi domingo, sim é verdade DOMINGO. Ainda por cima foi um domingo quente de inverno, como esta frase faz tanto sentido depois de muitos dias de frio, chuva e borrasca. Então, domingo, para mim o domingo é um dia especial. Diz a Bíblia que Deus trabalhou 6 dias e descansou no 7º, também diz lá que este 7º é o sábado, contudo e por uma questão de arrumação semanal ou então porque o sábado é dia de cabeleireiro, alguém se lembrou que o 7º dia é na verdade domingo. O fantástico dia de descanso, giboiar, dormir, comer, enfim um sem fim de coisas que implicam não levantar pesos nem fazer exercício. De contrário é pecado, eu acredito muito nisto. Eu tenho uma amiga minha que leva isto muito a peito, porque os pais tiveram um acidente de trabalho num domingo e desde esse dia desistiram de fazer qualquer tipo de trabalho forçado ao domingo.  Contudo, tudo o que implique uma força vezes um deslocamento é trabalho, se bem que há trabalhos muito prazerosos, como comer, fazer zapping, cuscar a vida alheia… enfim, um sem fim de coisas. Assim, confesso que deste meu ponto de vista, este tipo de actividades ao domingo não deviam ser consideradas trabalho, e não são, se formos a ver pela teoria da razoabilidade. Aqui temos algo que a ciência não consegue explicar, a razoabilidade.

Pois bem, ontem, DOMINGO, fui com a minha mãe até uma aula de ginastica matinal, eu confesso que gosto muito de exercício físico, mas tenho de primeiro sentir o chamamento do exercício físico. Por exemplo para mim é mais simples sentir o chamamento de um donut ou de uma peça de fruta do que o chamamento da bicicleta para eu ir leva-la a passear. Porém à dias que esse chamamento é bastante forte e ontem foi um desses dias e por isso, eu e a minha mãe fomos fazer uma aula de ginástica, mas bolas eu pensei que a aula ía ser tipo coisa calma, mas não foi… hoje estou tão espalmada, valeu pela libertação de serotonina e endorfinas, e a sensação de que já posso comer mais um donut sem fazer grandes estragos… O problema desta história do donut começou a martelar na minha cabeça precisamente depois do exercício físico. Eu ginastiquei, como cantam os marretas e a caminho do carro só conseguia visualizar o donut, isto é vergonhoso eu sei, mas aconteceu. É aqui que surge toda uma cadeia de acontecimentos que me levam à receita de hoje, imagina só DONUTS!!!

Pois bem, fui cafezar, verbo muito usado ao domingo, vim para casa almocei uma coisa suave e giboiei pela casa, às tantas estava eu sozinha no sofá a fazer zapping quando paro num canal de comida, 24kitchen e estava a dar a receita dos donuts do Homer Simpson, eu podia ter pensado: “o Homer é viciado em Donuts, ele parece que tem icterícia e uma doença qualquer que o faz ser barrigudo”, mas não, eu pensei: “CARAMBA, DONUTS” e fiquei alí a ver a Filipa Gomes a dar a receita e a achar que aquilo me ía tirar a vontade de comer donuts… Não aconteceu. Eu juro que lutei contra o anti-grilo que existe dentro de mim… mas ele venceu e eu sou uma fraca… em resumo, eu fiz os donuts. Nem sei descrever o quão bom e saborosos são, têm um sabor a coisa boa que não nos deixa nem amarelos nem barrigudos… ou seja o problema do homer não são os donuts, quanto muito é outra coisa qualquer como a Duff que ele tanto emborca.

Assim, vou transcrever a receita do prato do dia, do 24kitchen.

Donuts, versão Filipa Gomes

o que vais precisar:

  • 2  Ovos tamanho L
  • 170 gr Açúcar Fino
  • 450 gr Farinha de Trigo sem fermento
  • 40 gr Margarina derretida
  • 120 ml Leite
  • 1.5 c. chá Extracto de Baunilha
  • 3 c. chá Fermento em Pó
  • 0.5 c. chá Sal
  • Noz-Moscada
  • 1 frigideira com óleo

glassé

  • 1 chávena Açúcar de Confeiteiro
  • 1.5 c. chá Extracto de Baunilha
  • 4 c. sopa Leite Gordo

Como vais fazer?

1º Coloca 2 ovos numa taça, acrescenta 170 gramas de açúcar fino e 1 colher de chá e meia de extracto de baunilha, e bate tudo com a batedeira até ficar um creme esbranquiçado.

2º Noutro recipiente, mistura 450 gramas de farinha de trigo sem fermento, meia colher de chá de sal, 3 colheres de chá de fermento em pó e uma pitada de noz moscada.

3º Junta ao creme um terço da farinha, 40 gramas de margarina derretida e metade do leite. Envolve tudo, e acrescenta o resto da farinha em duas vezes, intercalada com o restante leite.

4º Depois de trabalhar a massa com uma espátula, tapa-a com um pano e deixa-a repousar durante a 20 a 30 minutos, para que fique mais consistente.

5º Passado esse tempo, aquece o óleo da frigideira e com a ajuda do rolo, estende a massa sobre uma folha de papel vegetal polvilhada com farinha. Corta em círculos, retira o centro e transfere para um tabuleiro. A massa é muito mole, usa farinha para ajudar a estender.

6º Com a massa toda cortada, frita um donut de cada vez, e vai retirando para um prato com papel absorvente.

7º Por fim, trata da cobertura. Junta 1 chávena de açúcar de confeiteiro, com 1 colher de chá e meia de extracto de baunilha, e enquanto mexes, vai adicionando 4 colheres de sopa de leite gordo.

8º mergulha os donuts na cobertura, e salpica por exemplo com raspas de chocolate.

Nota: na receita original a cobertura leva corante rosa e confetis, dá uma espreitadela à receita original

http://www.24kitchen.pt/series/prato-do-dia-2/receita/donuts

ImagemImagemImagemImagem