Amendoim…

Quando eu andava na universidade, há uns milhões de anos atrás, quando os dinossauros ainda podiam habitar a terra, fui informada pela Andreia que o amendoim é um super alimento para o cérebro, por causa dos ácidos gordos.

Isto aconteceu numa tarde, em que ela estava a jogar o “apanha o M&M’s que cai no teclado”.

Basicamente, o jogo consiste em abrir um pacote de M&M’s e despejar em cima do teclado, e de cada vez que a tecla selecionada tiver um M&M’s pumba come-se. Como podes ver é um jogo muito produtivo, ganhas volume extra nas coxas, barriga e braços. Tens o consolo de “enfardar” um pacote inteiro de M&M’s sem te aperceberes, e melhor que tudo, ganhas sempre, porque os M&M’s são ovais, e portanto rolam facilmente sobre o teclado.

O que a Andreia estava a tentar dizer-me, era que o jogo que ela estava a fazer, com a saca de M&M’s era um jogo para alimentar o cérebro, enquanto o exercitava, na escolha de letras. Como quando vamos ao ginásio, a pensar no pote de gelado que vamos comer de seguida…. Nunca te aconteceu? A mim também não… Só que não…

Depois deste dia, o amendoim passou a ser para mim o amiguinho do meu cérebro, e como tal, se houver martinies há amendoins, para descarcar. Temos de dar luta ao cérebro, antes de o alimentar, quase como num laboratório de estudo de macacos, ele acertou o número, dá-lhe um amendoim.

Eu adoro amendoins, seja normal, seja com sal ou com caramelo. Paçoca é um dos meus guilty pleasures que a Andreia venera. Agora sal e caramelo, não. Shame on you Lidl. Amendoins com sal e caramelo é horrível. Eu caí na asneira de só ler meio pacote, e levada pela gula comi uma mão cheia deles… Não sei como descrever a sensação de vómito que me acorreu… Ainda tentei dar ao Pedro, numa de deixa ver se sou só eu que não gosto. O resultado nele foi bem pior que em mim, ao ponto de eu ter estado com olhos, ouvidos e mãos alerta, para o dia que a Andreia, inocentemente escolheu o pacote de amendoins com sal e mel. Salvei-a de boa.

Outro tipo de amendoim que eu não sou fã, é a manteiga. Manteiga de amendoim não é a minha onda. Ainda no outro dia, aproposito de uns brownies de banana e chocolate, vi-me obrigada a comprar um pote de manteiga de amendoim. Eu queria mesmo experimentar aquela receita, valeu a pena, mas fiquei desconsolada, por não conseguir chegar aos zebrados que aparece na receita. Faz que não te arrependes. O problema é que no fim sobra todo um pote de manteiga de amendoim, visto que na receita é só decorativo.

Detesto coisas inúteis. E ainda detesto mais, quando deixo passar prazos de validade de coisas inúteis… A manteiga de amendoim não é inútil, nós lá em casa é que não lhe damos uso. Portanto, ando desde a quarta-feira passada a pensar no que fazer com o pote de ácidos gordos que tenho lá em casa.

Ontem, enquanto conduzia para casa, debaixo da depressão Beatriz, tive uma visão. Brownies. Sheldon louco com cheiros, Pedro contente com o doce… Mas que brownies… Tenho farinha de aveia que já não sei o que fazer com ela, manteiga de amendoim… Pronto, vou pensar nuns brownies!

Et Voilà!

BROWNIES DE MANTEIGA DE AMENDOIM E CHOCOLATE

O que vais precisar?

  • 1 Chávena de farinha de aveia;
  • 2 Colheres de sopa de óleo;
  • 2 Colheres de sopa de chocolate em pó (amargo/ culinário);
  • 3 Colheres de sopa de açúcar;
  • 3 Ovos inteiros;
  • 3 Colheres de sopa de manteiga de amendoim ( generosas), eu usei da que tem pedaços de amendoim;
  • 25gr de chocolate culinário cortado grosseiramente.

Como vais fazer?

  1. Liga o forno a 130º;
  2. Com a batedeira, mistura tudo, menos o chocolate culinário;
  3. Dispõe a massa num tabuleiro, e espalha o chocolate por cima da massa;
  4. Leva ao forno, por 30 mins;
  5. Retira, deixa arrefecer, corta em quadradinho, e só para ficar mais giro espalha açúcar em pó por cima!

Anúncios

Combinações improváveis

Existem combinações que nos trazem sensações incríveis, mas que aos olhos alheios podem soar a algo muito estranho. A minha mãe diz sempre, só se pode comentar, depois de experimentar. Eu sou daquelas pessoas, que quando diz que não gosta é porque já experimentou, e não funcionou. Temos o caso, do bolo de espinafres. Muitos dizem que é incrível, eu provei, e odiei. Temos por exemplo coelho, eu já experimentei, e é muito mau, ainda não provei coelho de alguma maneira que me saiba bem. Hmmm, por exemplo também não gosto de ensopado de borrego… Alias borrego, anho, e cabrito. Eu sei que são todos diferentes, mas a não ser que sejam costelinhas de borrego grelhadas com molho de alho, não me convidem, porque eu vou passar muita fome. Aconteceu, eu dizer à minha futura sogra que não gostava, mas disse-o de uma forma pouco convincente. Escusado será dizer, que levei com ensopado de borrego uns dias mais tarde. Desde esse momento, sempre que há ensopado de borrego, há ensopado de galinha para a Angélica.

Confesso que não sou só esquisitices, eu gosto muito de batatas fritas, caseiras, com sumo de limão por cima. Eu bebo leite com cereais em leite quente, criando portanto uma papa que me sabe a céu, e enoja o meu namorado. Eu adoro sandes de batatas fritas, meu Deus eu adoro mesmo muito, sandes de batata frita. Sou 100% fã de churros recheados com chocolate, uma vez por ano, pelo menos, eu tenho de ir à caravana das farturas, comprar um churro recheado de chocolate. Segundo o Pedro, é o meu momento gorda!

Agora que penso, isto são esquisitices, pior do que não gostar de coelho. Pois bem, para adicionar a estes meus hábitos, estranhíssimos, eis que a minha amiga Mafalda inventou o meu novo vício, brownies de chuchu e chocolate. Na verdade ela faz pequenos bolinhos, eu faço em formato brownie. E agora o pensamento é, chuchu e chocolate? Chuchu, aquele legume que substitui a batata na sopa?? Iup, esse precisamente. Quando vi a receita, pensei, só pode estar maluca, depois olhei para o especto dos bolinhos, e tinham um ar tão mas tão apetitoso, que eu pensei, não sei se lhes resistiria.

A verdade é que rapidamente, me transformei num soldado da paz dos hunger games. Sim porque hunger foi o que me deu quando vi os bolinhos.

Liguei para a minha mãe, para ver se a terra tinha sido uma boa mãe e tinha procriado quase milagrosamente chuchus. Aparentemente sim, porque ela tinha um gigante para mim. Cheguei a casa, descasquei-o, piquei as mão e fiquei com elas super ásperas. Porque é o que acontece quando se brinca com chuchu. Cortei em pedaços, meti no liquidificador, pesei o líquido e a partir daí fiz as contas à receita da Mafalda. Oh meu Deus, estes brownies são quase tão bons como os originais, e têm uma contrapartida, como trazem um legume, servem de entrada e sobremesa para uma refeição, e pode ser uma sandes de batatas fritas, com meio limão a regar as batatas… Acho que assim, não engorda tanto!

Brownies de Chocolate e Chuchu – Receitas do Bairro

 

 

 

Actualização de brownies!

Acho que já deu para perceber, que a maioria das coisas que aqui escrevo, têm personagens extra a mim. Quero com isto dizer, que as histórias que partilho trazem sempre um outro ser vivo… Ou seja, o Leo, os pássaros, a minha família, o Rui, os meus amigos… Enfim, eu incluo todos aqueles que de alguma forma vão acabar relacionados com aquilo que cozinho. Até porque eu sempre ouvi dizer que “diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és” e “tu és o que comes”. Ora fazendo um bolinho com estes dois podemos ter, “diz-me com quem andas, dir-te-ei o que comes”. Não sejamos, menos próprios, isto está associado a quem se senta à mesa contigo. Sim porque, é muito complicado, pelo menos para mim, fazer uma refeição sozinha…

Pois bem, a personagem que trago hoje é a Andreia. Ontem falei do facto de ela e a Raquel terem feito anos a semana passada. Eu fiz um bolo para festejar foi um sábado incrivel. Contudo, a vida continuou e a Andreia tem uma espécie de veia cigana. Não me interpretes mal. Eu acho realmente incrivel o facto de os ciganos terem festas de casamento de verdade. Três dias de casamento, com muita poupa e circunstancia. O George Clooney pela certa baseou-se na etnia cigana para festejar o seu próprio casamento. A Andreia é mais ou menos assim. A Andreia fez anos na sexta, mas como esteve num congresso, não pode fazer grande festa, então reservou, o sábado, o domingo, a segunda e a terça, para os festejos (afinal ela faz mais festa que num casamento cigano).

No sábado, foi a festa que te falei ontem. No domingo foi almoço cá em casa e não contente pediu se eu fazia o obséquio de fazer bolo de anos para os amigos de Lisboa.

Vejamos, eu não sou interesseira, mas pensar que os meus bolinhos chegam à Capital, fez-me vibrar internamente… Resumidamente, aceitei logo tratar dos bolinhos para os amigos de Lisboa. Fiz os brownies que aprendi com a Nigella. Pensei que sendo um sucesso cá, no estrangeiro seria um sucesso maior… O estrangeiro é Lisboa…

Pois bem, na segunda a Andreia zarpou para Lisboa com os brownies. Eu fiquei em Espinho à espera do telefonema que fazia uma espécie de review dos brownies. Esperei… Esperei… e foi então que ela ligou para dizer que no laboratório todos gostaram. Respirei fundo e pensei, já só falta a festa de amanhã… Bolas porque faz ela tanto festejo… são 26 anos…

(Amigos da Andreia do laboratório, e da cafetaria, que estejam a ler isto, espero mesmo que não tenham sido bondosos em dizer que os brownies eram bons. Eu sou forte e aguento as criticas negativas… Afinal os meus maiores críticos são o meu pai e o meu namorado…)

Esperei, liguei. Esperei, liguei.

Chegou finalmente o momento da ultima festa.

A Andreia joga à bola com um grupo de rapazes. Ela toda a vida foi futebolista, e andava com coceira no pé para poder voltar a jogar. Quando surgiu a oportunidade de jogar com os “meninos do IMM” (se estiver a cometer um erro diz!) não perdeu tempo. Encheu os pulmões de ar e foi enfrentar as feras. Todas as vezes que cá vem, um dia é para falar do futebol e dos “meninos do IMM” que a tratam muito bem. Que aprendeu a ser caceteira com eles. Enfim, maus hábitos que deixam a minha mãe a roçar o desgostoso…. Pois bem, ontem ela fez a festa com eles, e prometeu sem me consultar, que eu vinha a este meu cantinho, falar deles. Ao que tudo indica os brownies também foram um sucesso entre eles. (Novamente espero não ter sido enganada, porque isto é um espaço idóneo)

Resumidamente, eu estou aqui para republicar a receita dos brownies, e caso pretendam esclarecimentos é contactar. Caso queiram um carregamento, contactem. Pela certa, hei-de encontrar uma solução de fazer os brownies chegarem ao destino.

https://angiecloudsdisappear.wordpress.com/2013/06/25/piramide-de-brownies/

PS: não tenho fotos, porque mal os brownies secaram, a Andreia guardou-os para ninguém os roubar.

PS2: Obrigada aos meninos do IMM, às meninas da cafetaria e aos colegas do laboratório, por tomarem conta da nossa Andreia enquanto ela vagueia pela Capital.