Hygge de frango

Sabes quando chegas a casa e a lareira está acesa, e lá fora está um frio do caraças?

Sabes quando te deitas em conchinha, com a tua pessoa, e adormeces num sono tão profundo que te sabe como se tivesses dormido uma vida?

Sabes aquele abraço que vem sem contar. Que chega e te envolve e tu libertas tantas feromonas, que te sentes a pessoa mais feliz do mundo?

Sabes quando te enroscas no sofá com um cobertor, meião quente, divides uma tigela de pipocas, na TV passa um filme qualquer e lá fora chove um mundo inteiro?

A sensação que tenho quando imagino estas imagens, chama-se Hygge. É uma palavra dinamarquesa. Não tem tradução direta para português. No entanto, eu traduzo Hygge como conforto. Isto porque, eu acredito piamente que o ser humano só é feliz, quando está confortável. Ninguém de sanidade, é capaz de ser feliz numa situação desconfortável. E se somos felizes numa situação desconfortável, é porque estamos confortáveis com o desconfortável. Portanto, Hygge, (HUGA como se diz) é o conforto.

O conforto é o que precisamos muitas vezes no outono e inverno. Nestas épocas somos mais tristes, somos mais moles. Precisamos de mais mimo. Precisamos de lareiras acesas, de abraços sem contar, de poder enroscar. Precisamos de fazer conchinha. Nesta época do ano, temos necessidade de procurar a felicidade que é tantas vezes espontânea na primavera e no verão, principalmente porque os dias são gigantes.

No outono e no inverno, acabamos a tentar compensar, muitas vezes em comida, o que não vem espontaneamente. Mas até a comida, tem de ser mais quente, mais saborosa. Só uma salada não chega. Porque está frio, porque está a chover (nem por isso), porque estou a trabalhar e já é de noite.  Nesta altura do ano, procuramos o conforto quase tanto, como no verão procuramos água. É uma necessidade.

Na verdade, para mim o conforto é uma necessidade.

Faz uns dias, andava a visitar uns blogues e deparei-me com uma receita de frango. A verdade é que a foto daquela receita de frango, tirou-me de onde estava e sentou-me na minha mesa da cozinha, a jantar com o Pedro, enquanto o Sheldon, do outro lado da barricada aguarda, que um de nós lhe ceda um momento de degustação. E aquilo soube-me a conforto, soube-me a amor. Aquilo soube-me a Hygge.

Eu adoro, mesmo de verdade, chegar a casa e iniciar todo o processo de preparação da única refeição aceitável que faço e ingiro durante o dia. Na verdade eu acho que se me medissem os níveis de feromonas nesta altura, quase que os podiam comparar (menos um pedaço) com os que eu liberto quando o Pedro me dá um abraço.

Eu sou realmente uma pessoa feliz, na minha cozinha no terceiro andar.

Sou tão feliz, que nas minhas viagens de regresso a casa, faço duas tabelas na minha cabeça, uma com ingredientes das receitas, outra com ingredientes da dispensa e frigorifico. Quando subi ao terceiro andar, e depois de 10minutos ininterruptos de mimos vindos de um orelhudo, acabo a vestir o meu avental, ligar o rádio e mão à obra. O resultado foi diferente do da receita original, até porque mudei alguns ingredientes, mas confesso que já repeti varias vezes, e em todas elas compreendo o porquê de haver necessidade de se ter uma única palavra para descrever o conforto da felicidade!

Viva o conforto/felicidade/Hygge

 

Cheesy Chicken and Brocolli

Eu substituí os brócolos por esparregado, substituí a maionese e o alho, por molho de Alho da Calvé. Substituí o queijo cheddar por mozzarela ralado. Tubes crescent Rolls, eu usei massa folhada.

  • Basicamente é cozer um peito de frango, cortar em cubinhos, e numa taça misturar o frango, com natas, com molho de alho, queijo e esparregado, formando um recheio.
  • Abrir a massa folhada, colocar-lhe o recheio, fechar o embrulho e levar ao forno.

Qualquer dúvida diz, que se eu conseguir eu ajudo. Mas experimenta de verdade, é realmente muito bom!

 

IMG-20170930-WA0001 (1)WP_20170930_14_00_27_Pro

 

Anúncios

Pais!

Versão Portugues

Quando tu tens 6 anos e chega o derradeiro momento de ir para a escola, aprender coisas novas, sentes um gelo no estômago, porque isso vai implicar menos tempo com a mãe e o pai e os irmãos. Contudo, vais aprender coisas novas, para ensinar à mãe, pai e irmãos.

Quando tu tens 15 anos, e a tua vida torna-se uma depressão profunda porque o armário onde entraste parece ser demasiado grande para ti, existem pessoas que te tentam dar mapas. No entanto, esses mapas têm orientações tão parvas. A tua única vontade é gritar ao mundo: “baza, que tu não entendes puto disto. Para piorar tas a tentar ser cool e não passas de um cota”.

Quando tens 18 anos e entras no mundo dos adultos, não à amarras que te mantenham preso. O mundo é uma descoberta, tu podes votar, conduzir e beber (pelo menos em Portugal). Existem, no entanto, aqueles caretas a quem chamamos pais, porque assim foi concebido pela sociedade, que passam a vida a tentar aconselhar:”Não faças isso; Olha para o estado em que chegaste a casa?; Se estiveres com os copos, liga que eu vou buscar-te”. Pois sim, vais é cascar-me, mas eu sou grande, forte e pior ADULTO. Eu sei bem o que é o certo e o errado.

Entretanto chegas aos 27 anos. Já passaste por muitas loucuras. Olhas para trás e pensas:”jura que fiz aquilo??”. Também olhas para trás e sentes:”Fogo, eles avisaram-me mil e cem vezes… Eu mil e cem vezes fiz ouvidos moucos”

Há uns tempo, a conversar com uma amiga de longa data, mãe de pessoas adultas e bem formadas, esta dizia que educar um filho é tarefa difícil porque a base é deixar cair, mas deixar sempre um bom colchão de penas no chão. Assim à sempre um amortecimento da queda.

Eu hoje venho aqui por isso mesmo. Eu hoje venho aqui na qualidade de filha de uma mãe aniversariante, e de um pai apaixonado pelas suas mulheres (como ele tanto gosta de dizer). Esta minha mãe passou a minha, ainda tão curta, vida a chamar-me à atenção. A ralhar comigo por tudo e por nada, (eu diria mais por nada do que por tudo). A fazer-me ver à bruta que o mundo está cheio de perigos, e eu sou uma cabeça no ar. Já o meu pai, passou a minha curta vida a fazer o papel do pai coerente, que deixa cair 100 vezes até saber andar de patins… Pois sim, continuo uma nódoa negra. Enfim, estes dois, encontraram-se a meio das viagens deles, descobriram pontos em comum e fizeram vários bebés… sobramos eu e a Marta. Cometeram mil e cem erros nas nossas educações, tentaram minimizar todos obviamente, mas eu e a Marta não somos fáceis, saímos a vocês!

Assim, só vos quero agradecer, na qualidade de filha.

Obrigada mãe por tantas vezes me incutires a necessidade de encontrar um amor verdadeiro. Aprender a separar os ovos, para bater um bolo bonito. Parabéns por estares a envelhecer da forma mais bonita e sexy. Tenho para mim que um dia quando tu fores avó, os miúdos te vão ver mais como mãe do que avó. Tu estás demasiado bem para a tua idade… A gravidade não toma conta de ti já reparaste bem… Espero quando chegar aos teus números (que, não vai acontecer porque eu parei nos 23) conseguir ter um ar tão naturalmente bonito.

Obrigada pai, por tantas horas a dar-me cabo do juízo por causa das contas, tabuadas e enfim… números. Obrigada por teres explicado à mãe que mais importante que ser uma boa dona de casa, era ser uma mulher de sucesso, assim criaria postos de trabalho, contratando uma empregada, e o mundo seria muito mais aproveitado.

Parabéns aos dois pelo amor que têm e nos dão.

Hoje não é o vosso aniversário de casamento, mas reparei de manha que para ti pai, é um aniversário de amor. Por estares ao lado da tua Leoa. Espero honestamente, continuar a ser testemunha da vossa ligação, quase ancestral. Espero um dia conquistar o que vocês conquistaram. Mais ainda, espero que no dia em que os 57 me baterem à porta, o homem da minha vida me dê os parabéns como assisti hoje de manha. Com um amor, estampado nas expressões.

Parabéns mãe.

Ps: Não há receita hoje…. desculpa

English Version

When you have 6, and reaches the moment to go to school, learn new things, you feel butterflies in your stomach, because that will mean less time with mom, dad and siblings. However, you will learn new things, to teach mom, dad and siblings.

When you have 15, and your life becomes a deep depression because the closet where you entered seems to be too big for you, there are people who try to give you maps. However, these maps have silly guidance. Your only desire is to shout to the world: get of,  you don’t understand . You’re trying to be cool but you’re to old for that“.

When you have 18 and you enter the world of adults, there’s no chains that keep you stuck. The world is a discovery, you can vote, drive and drink (at least in Portugal). There are, however, those who we call parents, because that was designed by society, who spend their lives trying to advise: Do not do that! Look at your aspect?; If you are drunk, call and I’ll pick you up.” Well yes, you will bore me to death, but I am big, strong and worse ADULT. I know well what is right and wrong.

However you arrive at 27. Already gone through many parties and crazies. You look back and think, “swears I did that??”. Also you look back and feel: “God, they warned me eleven hundred times … I did eleven hundred times a deaf ear

Some time ago, I was talking with a longtime friend, mother of adult and well-educated people, she said that educating a child is a difficult task because the base is letting them dropp, but always leave a good feather mattress on the floor. So it can cushion the fall.

I come here today for this very reason. I come here today as the daughter of a birthday mom, and a passionate dad by his girls (as he likes to say). This mom of my, came to my still so short, life calling my attention. Scolding me for everything and anything, (I would say more for anything than for all). Making me see the a world is full of danger, and that of course, I’m a head in the air. In other hand, my dad spent my short life to playing the role of coherent dad, letting me drop 100 times until I know how to rollerblad Well yes, still a bruise. Anyway, these two found themselves in the middle of their travels, they found common ground and made several babies Only me and Martha, survived. They’ve committed eleven hundred errors in our educations, tried to minimize all obviously, but both Marta and I are not easy, we are your kids!

So, I just want to thank you, as a daughter.

Thank you mom for so many times drivng me to the need of finding true love. Learning to separate the eggs, to baket a beautiful cake. Congratulations, you are aging the most beautiful and sexy way. I suppose one day, as grandmothers, kids will see you more as a mom than grandmom. You’re too good for your age Have you noticed that gravity doesn’t care for you? I hope, when I get to your numbers (that will not happen because I stopped in 23) can look so naturally beautiful.

Thank you dad, for so many hours spent in teaching me times tables and numbers. Thank you for having explained to mom that more important than being a good housewife, it is to be a successful woman, and create jobs by hiring a maid, and the world becomes better.

Congratulations to both for the love you have and give us.

Today is not your wedding anniversary, but I noticed in the morning that for you dad, is a birthday love. Because you are near to your moma bear. I hope honestly, to continue to be a witness of your connection, almost ancestor. I hope someday to conquer what you have achieved. Moreover, I hope that on the day, when 57  hit’s the door, the man of my life give me congratulations like I watched this morning. With a love expressions.

Congratulations mom.

Nb: No recepie for today… Sorry

mae e pai 001

SAM_6621

Vivam os noivos!

Estou a comer um gelado, made by Angie clouds, e a pensar no fim de semana que se avizinha… 2 casamentos e uma comunhão… Sim 2 casamentos, se não foi nisto que reparaste então volta a ler porque é sobre isso que vou contar.

2 casamentos… e tu pensas, Oh opta por um. Pois é, mas desta vez não dá. Por um lado tenho uma grande amiga da universidade, que viveu comigo e com quem tenho um grande à vontade, porque choramos juntas, roemos unhas juntas, ralhamos juntas, comemos juntas e quando as coisas apertaram, não nos separamos. Por outro lado tenho a minha companheira de básico e secundário, que foi criada comigo como uma irmã. Com quem tive pegas ridículas, com quem passei horas ao telefone a falar de amores e desamores. com quem tantas vezes dormi, que em vez de dormir nós falávamos feito duas relas. Enfim 2 pessoas que me dizem muito. Como ainda não inventaram para o mundo muggle o vira-tempo/ time-turner, tive de tomar uma decisão. O meu namorado conta uma história melodramática sobre as lágrimas vertidas, o ranho assoado… enfim um dos meus momentos sexy, eu conto que foi difícil tomar uma decisão mas teve de ser. Ou seja vou à cerimónia da minha amiga, peço uma marmita para o caminho (Se estiveres a ler isto, por favor avisa a tua mãe da marmita) e volto para ir ao casamento total da minha prima. A parte da festa é a parte que por norma todos gostam mas onde dificilmente se vê ou fala com os noivos, por isso, estou a fazer um post para estes noivos em especial. Por um lado porque pouco vou ver a minha prima na festa, por outro porque não vou poder ver a minha amiga e o futuro marido durante a festa.

Então aqui vai.

Eu desejo-vos aos 4, a cada par individualmente, tudo de incrível. Que se baseiem no amor entre cisnes, pinguins ou agapornis. Onde um vive com o outro e para o outro. Onde cada um tem a sua personalidade mas aprende a adaptar-se ao outro. Onde dormir no mesmo ninho é um privilégio e encontrar-se na vida é uma sorte. Quero, de vontade, que se amem e que desse amor saiam frutos, sejam eles concebidos na vossa intimidade, ou porque encontraram esse fruto durante a vossa jornada em família. Que nas vossas casas reine a teoria do, eu posso zangar-me contigo mas ninguém vem cá zangar-se contigo sem que eu te defenda com unhas e dentes. Que sigam a teoria dos casais de longa duração, espécies raras nos dias que correm, não se deitem zangados, mas sim conversados e resolvidos. De sábado em diante vocês estão a iniciar uma família, aprendam que a família é para a vida, pode haver exaltação, irritação, chateação, mas são família e as famílias aprendem a ultrapassar os problemas.

Assim, meus caros e bons amigos, família de sangue e família do coração, desejo-vos muita felicidade, um dia de festa de arromba, umas núpcias de querer mais e uma vida em comum com sabor a chocolate… são mais as pessoas que admiram o chocolate do que o mel…

Posto isto, viva os noivos!

Ps: Aproveito este post para dar os parabéns à minha prima Judite e ao futuro marido Ricardo que também casam este ano, calma tudo vai correr bem. Também vos desejo estes votos!

Por falar em mel e chocolate, o meu gelado acabou… Gelado faz-me lembrar sobremesa de casamentos. Hoje trouxe a receita do meu mais novo gelado, parece que estou a falar de um filho, mas é só um gelado. Aqui vai.

GELADO DE CHOCOLATE CROCANTE

O que vais precisar?

  • 1,5 tabele de chocolate de culinária (300g)
  • 2 pacotes de natas (400ml)
  • 400gr de beijinhos (iguais aos da receita do gelado de morango)
  • 2 colheres de sopa de licor de chocolate, ou vinho do porto
  • 3 colheres de sopa de nozes crocantes
  • Chocolate em pó q.b.

Como vais fazer?

  1. Tritura os chocolate em um bocados grosseiros e reserva;
  2. Bate as natas até ficarem bem espessas;
  3. Desfaz os beijinhos e adiciona à massa, como no gelado de morango, com auxilio de uma colher de pau;
  4. Adiciona o licor e continua a mexer;
  5. Adiciona o chocolate e as nozes e mexe tudo muito bem;
  6. Forra uma forma de bolo inglês com papel celofane, e coloca o gelado dentro;
  7. Polvilha a superfície com o chocolate em pó;
  8. Leva ao congelador para solidificar e serve.

Aproveita e não penses nos casamentos que se avizinham…

ImagemImagemImagem