Quartas-feiras loucas…

Cheguei a casa e tinha de correr muito, por sinal… É dia de ir levar o cesto de roupa para passar. A minha rica mãe, como já devo ter contado, deixou-me sair de casa na condição que lhe levava a roupa todas as semanas para passar… Isto porque, ela tem um serviço contratado, que quanto mais peças menos paga… Por peça… No fim vai tudo dar ao mesmo…

Cours de français?

Versão Portuguesa

E não é que eu me inscrevi num curso de línguas?! Ah pois é. Perdi a cabeça e, voltei a estudar. Estava difícil reunir os vários factores, que toda a logística de voltar a estudar implica. Dinheiro, companhia, vontade e disponibilidade. Eu honestamente acredito que as coisas acontecem por um motivo, e acontecem quando tem que ser. Se bem que no meu caso, eu fui para o francês porque preciso comunicar em francês e as minhas bases do básico à muito que o meu disco rígido apagou… Ou seja, ajudou a aumentar a vontade. Eu estava com ideia de voltar ao alemão, porque quando experimentei na universidade foi muito bom. Gostei mesmo. No entanto, pensei bem no caso, e parecia um bocado mau, ter tido dois anos de francês na escola e pouco ou nada me lembrava da língua. Na verdade, só sabia bem a expressão”mon amour” e, convenhamos é um bocado parvo, depois de dois anos de uma língua só saber dizer isso…. Pensando bem, eu neste momento sei dizer “meine lieben” e pouco mais. Quando estive na Alemanha tentei comunicar com os locais, mas acabei por desistir. Primeiro porque eles falam muito rápido, segundo porque o meu cérebro bloqueou. Mas sobre isso, falo noutra altura.

Eu hoje quero mesmo falar do facto de já estar no meu segundo nível de francês. Convém explicar que quando reuni todos os elementos fulcrais, incluindo o facto de ter conseguido que o Pedro fosse comigo, senti que ia ser uma grande experiência.  Está a ser uma experiência tão boa, que acho que rejuvenesci, ou pelo menos aparento idade de estudante, visto ontem ter ido ao cinema e o senhor achou que um bilhete normal para mim era na verdade um bilhete de estudante. Melhor do que qualquer destas coisas, é mesmo a sensação de estar a crescer. Aprender é do melhor que existe. Tenho neste momento o sabor amargo de não ter aproveitado, as minhas aulas de francês na escola quando era miúda. Mas a verdade é uma, foi o facto de não o ter feito que me leva hoje, todos os sábados à alliance française. Ou seja, eu acho que o motivo foi este. Não querer saber da lingua oficial do amour, quando era suposto, porque uns anos mais tarde, acabaria por o fazer com o meu amour. Sim, sim, estou a ser lamechas, e depois? As pessoas devem ser lamechas de quando em vez, aposto que seriam bem mais felizes.

Para celebrar o facto de estar a adorar o meu curso de francês, hoje fiz tarte Tatin, aldrabada. Eu vou chamar-lhe Tarte Tatin trompé.

English Version

And suddenly I enrolled on a French course?! I lost my head and went back to school. It was difficult to gather logistics of going back to school. Money, company, will and availability. I honestly believe that things happen for a reason, and happen when it has to be. Although in my case, I went to the French course because I need to communicate in French and my bases from school have already been erased from my hard drive. This is why my will increased.

I thought on going back to German classes, because when I tried at the university it was very good. I liked it. However, I thought, well if the only thing I remember from French is “mon amour” best is to go back, and forget the fact that once I learned French. On second thought, I know little more than “meine lieben” in German. Actually, when I was in Germany I tried to communicate with the locals, but I gave up. First because they speak too fast, second because my brain blocked. But about this, I’ll speak another time.

Today I really want to talk about the fact that I’m already in my second level of French. I should explain that when I met all the key elements, including the fact that Pedro decided to go with me, I felt it would be a great experience. Actually it’s being a good experience, I think it rejuvenated me, or at least I have appearance of a student, cause yesterday I have gone to cinema and the guy gave me a student ticket ticket, because that what I look like. Better than any of these things, is the feeling of growing. Learning is the best way to grow. I have at this time the bitter taste of not having taken advantage of, my French lessons at school when I was a kid. But truth be told, it was the fact of not having done that, leads me today, every Saturday at Alliance française. Meaning, this is why I’m back learning French. Not learning the official language of amour, when it was supposed, because a few years later, I would eventually do it with my amour. Yes, yes, I’m being mellow, and what? People should be mellow from time to time, I bet you would be much happier.

 

To celebrate the fact that it is love my French course, today I made tarte Tatin, cheated. I’ll call it Tarte Tatin trompé.

TARTE TATIN TROMPÉ

Eu baseei-me nesta receita: https://www.tastemade.com/videos/upside-down-apple-cake

O que vais precisar?

  • 2 maçãs;
  • Meio copo de açúcar;
  • 1 copo de miolo de nozes;
  • 1/3 de copo de manteiga derretida;
  • 2 colheres de canela;
  • 1/3 de copo de vinho fino;
  • 2 ovos;
  • 2/3 de copo de açúcar;
  • 1 copo de farinha;
  • 1 colher de café de fermento;
  • 1 pacote de natas frescas;
  • Açúcar q.b.

Como vais fazer?

  1. Tira o caroço das maças e corta-as em bocadinhos, com casca;
  2. Corta as nozes grosseiramente;
  3. Numa frigideira, ao lume, coloca o meio copo de açúcar e quando ficar castanho claro adiciona as maçãs e as nozes;
  4. Mistura tudo e adiciona meio copo de água e deixa ficar;
  5. Numa bacia, mistura os ovos e 2/3 de copo de açucare mexe com a batedeira;
  6. Adiciona também o vinho fino e a canela, e mexe;
  7. Peneira a farinha e o fermento e mistura com a colher de pau;
  8. Adiciona a manteiga no fim, mistura;
  9. Coloca a massa sobre as maçãs, e tapa com um testo e deixa cozer a massa por 20 minutos. Ao fim deste tempo pica com um palito e vê se a massa está cozinhada;
  10. Se estiver, desliga o lume, coloca o prato por cima e vira a tarde, como no link que eu coloquei ali em cima.
  11. Bate o pacote de natas com açúcar, até ficarem bem espessas e distribuí sobre a tarte, e serve.

Eu adorei!!!!

WP_20160228_13_25_32_ProWP_20160228_14_36_00_Pro

 

Foi do meu cérebro que veio o Rolo….

Versão Portuguesa

Dizem os entendidos que somos o que comemos… Eu diria que infelizmente o que comemos nem sempre somos nós.
É certo que a pessoa é feita de comida, daí o aviso prévio às castanhas ou feijões, no entanto nem sempre nos encontramos consciente e cientes do que ingerimos. Que o diga eu que, enquanto pensava na receita de hoje, e a executava, dei por mim a devorar literalmente M&Ms. Não que o estivesse a fazer conscientemente, não estava. Mas estava a fazê-lo em parceria com o facto de estar a bater um bolo. Eu não consegui parar de abrir o frasco enfiar a mão la dentro, roubar uma mão cheia de M&Ms e leva-los à boca. Fiz este processo pelo menos duas vezes… À terceira ouvi a amargura do meu cérebro/consciência: ”Aqueles M&Ms estão neste momento a alojar-se nas zonas mais difíceis do teu corpo… Barriga e coxas… Para, tu estas maluca?!”
Em seguida, veio o sentimento de culpa… Eu honestamente não sei o que mais me magoa… Se sentir os M&Ms a procurar alojamento no meu corpo, se o facto de a minha consciência chorar. É horrivelmente degradante, sentir que todo o teu esforço, associado à última ida ao ginásio, está neste momento a ser inválido. Imagina uma conta bancaria, neste momento estaria o gestor de conta a ligar, porque não só tenho a conta a descoberto como tenho dividas para pagar. Ora bolas… O pior nisto tudo, é que não entendo o porquê de ter estes acessos irracionais. É como se a luz se apagasse, e eu pudesse comer tudo que ninguém veria… nem eu mesma. Como quando somos miúdos, e nos dizem não mexe. A primeira pergunta que o cérebro faz é:”Ora pois bem, e começo a não mexer onde?!”
Vendo bem, provavelmente é daí que vem o meu comportamento pouco racional, de devorar chocolates inconscientemente. Eu vou mexer sempre e provavelmente partir, eu vou comer sempre e sentir que se alojou na zona da anca. Esta sina, persegue-me desde miúda. Não era eu que partia, era o meu cérebro que me orientava para o sítio e às tantas as coisas partiam-se… Como? Não faço ideia, mas acontecia. Não era eu que ali estava. Pronto era eu, mas não era eu. Porque eu não parto jarras de cristal caríssimas só porque sim, assim como não devoro M&Ms só porque sim. O meu cérebro enganador, é que me leva a fazer as asneiras… Como se tivesse prazer em ver-me ser castigada…

O problema, tal como naquela publicidade da rádio do suplemento para o cérebro, é que o meu cérebro sou eu. Ou seja, quando digo que fiz um ato inconsciente, estou simplesmente a tentar desculpar-me da parvoíce de devorar M&Ms…

O que eu quero dizer, para além de dar a receita do rolo, é que alojar M&Ms nas coxas é culpa minha. Não do meu cérebro. Eu sou culpada pelos meus atos… Logo, sim nós somos o que comemos, e o que comemos somos nós. Porque cada um de nós escolhe devorar brócolos o M&Ms. Ninguém faz essa escolha por nós, nem a voz da consciência. Somente o nosso cérebro que somos nós!

English Version

The experts say that we are what we eat … I would say that unfortunately not always what we eat is what we are.

It is true that the person is made of food, hence the notice to let say beans, but not always we are conscious and aware of what we eat. That tells me that, thinking in today’s recipe, and baking it, I found myself literally eating M&Ms. Not that I was doing it consciously, I wasn’t. But I was doing it while baking a cake. I could not stop opening the bottle stick his hand inside it, stealing a handful of M&Ms and bring it to mouth. Made this process at least twice … The third time, I heard the bitterness of my brain / consciousness: “Those M&Ms are currently on vacation in the most difficult areas of your body … belly and thighs … Are you insane?! ”

Then comes the guilt … I honestly do not know what hurts the most … If the feeling of M&Ms looking for a place in my body, or the fact that my conscience is crying. It is horribly degrading, feel that all your effort, associated with the last trip to the gym, currently is being invalid. Imagine a bank account, at this moment account manager would be calling because not only I have the account with no money as I have debts to pay. What the hell … The worst in all this, is that I do not understand why you have these irrational access. It’s like the light went out, and I could eat everything that no one would see … not even me. As when we are kids, and mom asks not to be an elephant on the pottery shop. The first question that the brain does is, “Oh well, and where can I not be an elephant??”

Well, probably that’s where my irrational behavior comes from, devouring chocolates unconsciously. I’m always going to be the elephant, I will always eat and latter feel that it is lodged in the hip area. This fate, chasing me from girl. It was not that I was braking things, it was my brain that guided me to the site and so many happened … How? No idea, but it did happen. It was not I that I was there. I was there, but it was not me. Because I did not break overpriced crystal vases just because yes, and do not devour M&Ms just because. My deceived brain, takes me to do stupid things … As if he’d be happy to see me being punished…

The problem, is that my brain is me. That is, when I say I made an unconscious act, I’m just trying to excuse myself from eating M&Ms …

What I mean, apart from giving the cakes recipe, it is that housing M&Ms on my thighs is my fault. Not my brain’s. I’m guilty for my actions … So yes we are what we eat and what we eat is what we are. Because each of us chooses to eat broccoli or M&Ms. No one makes that choice for us, not the voice of conscience. Only our brain that is what we are!

ROLO DE CHOCOLATE E DOCE DE LEITE

O que vais precisar?

  • 250gr de açúcar;
  • 6 ovos;
  • 1 colher de chá de fermento;
  • 1 colher de sobremesa de essência de baunilha;
  • 2.5 colheres de sopa de chocolate em pó;
  • 150gr de farinha;
  • 4 colheres de sopa de água;
  • doce de leite para o recheio

Como vais fazer?

  1. Ligas o forno a 100º e untas uma forma rectangular plana;
  2. Separa as gemas das claras e bate as claras em castelo;
  3. Adiciona o açúcar às gemas e mexe bem;
  4. Adiciona a baunilha e o chocolate e mistura bem toda a massa;
  5. Adiciona as claras, mexe e no fim coloca a farinha e o fermento;
  6. Dá uma volta final à massa e coloca-a na forma na rectangular;
  7. Leva ao forno, tapa com folha metálica e sobre a temperatura para os 180º;
  8. Molha um pano, estende-o no balcão, espalha açúcar sobre o pano e assim que o bolo esteja cozido (teste do palito) vira-o sobre o pano (ainda o bolo bem quente);
  9. Besunta o bolo com doce de leite, enrola e deixa ficar por 5 minutos;
  10. Retira o pano e serve.

WP_20151014_20_23_50_Pro WP_20151014_20_25_37_Pro

Os Happy Birthday’s do Blog!

Versão Portuguesa

Ora e não é que ontem encontrei energia suficiente para organizar a festa do blog????

Pois é, à semelhança do ano passado, e tenciono tornar isto uma espécie de hábito anual, abri as portas ao meu restaurante. Mas isto de se ter um restaurante, tem muito que se lhe diga. Perguntem ao chef Gordon Ramsay, que foi quem me ensinou a fazer o bife Wellington de ontem à noite.

Depois de alguns minutos a pensar, comecei por elaborar uma sms de convite. Não sabia o que cozinhar sabia que queria voltar a Inglaterra. Então juntei a fome à vontade de comer e aí estava, um convite para a abertura anual do Angie Clouds’ Pub. Depois veio a indecisão, quem convidar…. Ora como não tenho fila de espera para este evento, pensei em falar às pessoas que, pela certa, não me iriam negar a sua presença. O único convidado que demonstrou vontade de entrar para a fila de espera foi o Nelson. Eu achei tão bonitinho, que não hesitei em o colocar também na lista. Lista feita (Marta, João, João, Milai, Raquel, Diogo, Helena, Andreia, Tiago, Regina, Nelson,Pedro e eu que também como), passei à parte de pensar na comida. Fiz uma vasta pesquisa e encontrei o beef Wellington, Scotch Eggs, Eton’s Mess e para beber Shandy. Isto pode soar a uma pesquisa rápida, mas não foi. Foi a roçar o exaustiva. De tal maneira, que dei por mim muitas vezes a babar para o fantástico aspecto das fotos. Depois da ementa, vem a lista de ingredientes, comprei tudo com antecedência, com excepção dos morangos, escusado será dizer, que a 2h da chegada dos convidados ainda não tinha morangos… Comecei a ficar algo preocupada…

Na sexta já sabia exactamente como ia querer a decoração, só rezava para que o tempo ajudasse, porque sejamos honestos, chuva ou frio ou os dois ao ar livre não vai correr bem. Quase me senti uma noiva a dias do casamento, em que o pedido é:”Por favor, que venha sol, para não estragar tudo”. O tempo ajudou, e consegui tornar o arraial de festas de verão dos meus pais, numa verdadeira balcony de um pub britânico, ou parecido com os que eu vi… Consegui deixar tudo pronto a tempo, porque contratei uma empregada à altura. Na verdade ela tem sido sempre a empregada do Angie Cloudsrestaurant…. Esta moça bem treinada, era capaz de ter qualquer profissão. Obrigada Andreia pela ajuda a orientar a festa. Ah e obrigada mãe pela mãozinha!

20.20h – Os convidados começaram a chegar. O que acontece quando abres o teu restaurante aos amigos, é que eles acham sempre que devem ajudar. Ou então querem fazê-lo para se sentirem úteis e não te ver ali, tipo escrava Isaura no tronco. Mas eu repito, isto é um restaurante a função é eu estar no tronco enquanto vocês se divertem a comer! Lá consegui afastar todos da cozinha, às 21h (quando todos já tinham finalmente chegado). O único que não consegui mesmo afastar foi o Nelson, Julgo que se deve ao facto de ter peso na consciência por ter sido o ultimo a chegar… Mas secalhar estou só a extrapolar…

Eu estava cheia de vontade de ver até que ponto todos iriam gostar do meu menu, que até ao momento era surpresa. Com excepção dos Scotch Eggs que já todos tinham experimentado. Comecei a cortar a carne e estava com um aspecto incrível, a tonalidade estava parecida com a do meu novo professor, Chef Gordon Ramsay. Então recebi aquela paulada no cérebro:”Oh esperta a Regina tem a Maria na barriga, talvez ela não possa comer”. Fui a correr ter com ela e confirmou-se ela não podia… Raios, porque não me lembrei mais cedo que havia um bebe à mesa?! A Regina foi impecável e eu fui assar mais a carne para ela poder comer. Atrás dela vieram todas a outras grávidas sem imunidade à toxoplamasmose. Eu quero que vejam no video que vem anexado a este post, que a vaca ainda faz mumu quando sai do forno, não sou eu que não sei cozinhar… Enfim, num restaurante temos sempre clientes mais exigentes e o cliente tem sempre razão, por isso eu cozinhei mais a carne para os pratos recusados. Acho que no fim todos ficaram satisfeitos. Acho só. Porque tu sabes, o difícil é dizer estava horrível. Dizer estava bom, deixa todos satisfeitos…

Entretanto chegou a sobremesa. A sobremesa também ela foi típica, Eton‘s mess. Das sobremesas mais simples de fazer e comer. Aqui ninguém voltou à cozinha com o copo de sobremesa a pedir para bater mais as natas. Ou seja, acho que desta vez foi certeira a simplicidade.

Depois de muito tempo ao ar livre, todos a conversar, acabamos por vir para dentro e eu aproveitei para iniciar a actividade do mete tudo no sitio. Salvaram-me as meninas, porque a minha funcionaria já não tinha forças para me ajudar. As meninas foram incríveis, acabaram por ir para a cozinha do restaurante ajudar na arrumação, mas sem duvida a Helena merecia um troféu, esteve até ao fim na cozinha comigo e depois até o arraial desmontamos, eu ela e o Pedro. Isto, porque a minha funcionária continuava sem aparecer. Escusado será dizer que ela não recebeu o salário por inteiro…

No fim estivemos praticamente todos na sala, na conversa, como só os amigos de sempre, conseguem ter.

Foi um aniversário muito inglês na comida, mas muito português no calor. Assim, como quero que te sintas quando vens aqui ao blog. Custa aprender e dizer o nome, mas depois de o ler espero que sintas o calor de se ser português!

Obrigada mãe por estes dois anos seres a maior incentivadora deste Blog. Já sabes que não foste convidada, porque as receitas que aqui faço são todas também para ti. Tenho a certeza, a roçar o absoluto, que se não fosses tu tantas vezes a perguntar-me o que vou fazer para o blog, que haviam altura que não tinha nem força para vir aqui.

Obrigada a todos vocês, anónimos, família (a que me foi atribuída e a que escolhi) por me terem visitado 8000 vezes em dois anos. Que o Angie Clouds vos dê tanto prazer a ler como eu tenho a escrever!

English Version

Isn’t that, that yesterday I found enough energy to organize the blog party ????

Yeah, like last year, and I intend to make this a sort of annual habit, I opened the doors to my restaurant. But this thing of having a restaurant, has much to say about it then we think. Ask  chef Gordon Ramsay, who was the one who taught me how to make Beef Wellington last night.

After a few minutes of thinking, I started by drawing up an invitation. I did not know what to cook, I just  knew I wanted to return to England. Then, just like that I announced the annual opening of Angie Clouds’ Pub. My new problem was, who to invite? But as I have no waiting list for this event, I thought of talking to people who, for sure, would not deny me his presence. The only guest who showed willingness to join the waiting list was Nelson. I found it so cute, that didn’t hesitate to also put him on the list. List made (Marta, João, João, Milai, Raquel, Diogo, Helena, Andreia, Tiago, Regina, Nelson, Pedro and I ), I these being taken care, I started thinking on the menu. I did extensive research and found beef Wellington, Scotch Eggs, Eton’s Mess and Shandy for drink. This may sound a quick search, but it was not. It was exhaustive. So, that I found myself drooling for great-looking photos. After the menu comes the list of ingredients, I bought everything in advance, with the exception of strawberries, needless to say, that 2 hours for the guests arrival,  had not yet strawberries … I started to get worried …

On Friday I knew exactly how I would want the decoration, just prayed that time would help, because let’s be honest, rain or cold or both outdoors will not go well. I felt like a bride on her wedding day praying, “Please, let come the sun.” The weather helped, and I could transform the host of summer festivals of my parents, a true balcony of a British pub, or like the ones I saw … I managed to get everything ready in time, because I hired a maid to help. In fact she has always been the maid of Angie Clouds’ restaurant …. This well-trained girl, is able to have any profession if she wants. Thanks Andrea for helping to guide the party. Oh and thank you mom for the little hand!

20.20h – The guests began to arrive. What happens when you open your restaurant to friends, is that they always think they should help. Or do they want to feel useful, instead of looking at you as a slave. But I repeat, this is a restaurant, to work, I’m a slave while you have fun to eating! I managed scoop them all of the kitchen, at 21h (when everyone had finally arrived). The one that got managed to stay was Nelson, I think that is due to the fact of guilty conscience for being the last to arrive …

I was full of desire to see how far they would all like my menu, which so far was surprise. Except for Scotch Eggs everyone already had experienced. I started to cut the meat and it had an amazing aspect, the tone was similar to my new teacher’s, Chef Gordon Ramsay. Then came that punch in the brain, “Oh clever me, Regina has Maria on the belly, maybe she cannot eat.” I ran to her and it was confirmed she could not … Damn, why haven’t I remembered earlier that there was a baby at the table ?! Regina was great and I was able to cook the meat more for her to eat. Behind her, came all the other pregnant women without immunity to toxoplamasmose. I want you to see the video that comes attached to this post, the cow still makes mumu when it comes out of the oven, it’s not me that I cannot cook … Anyway, a restaurant has allways demanding customers and the customer is always right, so I over cooked the meat to the rejected dishes. I think that in the end everyone was happy. I think only. Because you know, it’s difficult to say was horrible. Say was good, makes everyone happy…

Then, arrived dessert. The dessert was also a typical English dish, Eton’s mess. The simplest desserts to make and also to eat. Here no one returned to the kitchen with the dessert cup asking to knock over the cream. That is, I think this time was unerring simplicity.

After much time outdoors, we decided to come inside. I started cleaning up. My salvation were girls, because my helper no longer had the strength to help me. The girls were amazing, helping me but undoubtedly Helena deserved a trophy, was till the end in the kitchen with me and then putting everything in order on the balcony, Helena, me and Peter. This is because my employee still did not appear. Needless to say she did not receive full pay …

At the end we were pretty much everyone in the room in the conversation, as only old friends, can have.

It was a very English birthday on food but very Portuguese in the heat. So, as I want you to feel when you come here to the blog. It’s difficult to learn and say the name, but after reading it I hope that you feel the warmth of being Portuguese!

Thank you mother for these two years being the most supportive of this Blog. You know that you weren’t invited, because the recipes here are all also do for you. I am sure, to skim the absolute, that if it wasn’t you so often asking me what I was going to do for the blog, I might not had time nor strength to come here.

Thanks to all of you, anonymous, family (to which I was assigned and I chose) to have me visited 8000 times in two years. That Angie Clouds give you so much pleasure to read as I have to write!

IMG_1333 IMG_1334 IMG_1335 IMG_1341

RECEITAS

Scotch Eggs

IMG_1339

https://www.youtube.com/watch?v=hkPPn5ycsnc

Nesta eu susbstitui os ovos normais, por ovos de codorniz

Beef Wellington

IMG_1340

https://www.youtube.com/watch?v=5uXIPhxL5XA

O acompanhamento foi puré de batata e fiz um molho de natas para regar.

Eton’s mess

IMG_1348

https://www.youtube.com/watch?v=NhoKXq8_l7E

Nesta receita eu misturei suspiros com cavacas, o resultado é muito bom.

O que é que eu penso!?

Esta semana tenho ouvido imensos comentários sobre a chegada do filme “50 sombras de Grey”, tenho andado atenta a rubricas radiofónicas, entrevistas televisivas, comentários em jornais (daqueles de papel), actualizações de redes sociais… enfim, tenho devorado muitas criticas da mesma maneira que devorei a trilogia. Eu assumo, eu li os livros, eu adorei. Eu não vou, ou pelo menos não pretendo ir ao cinema ver o filme. Tudo porque receio, desde o âmago do meu ser, que acabe com todo o filme que eu própria criei durante a leitura dos livros.

Eu comecei a ler o “50 sombras de Grey”, pela altura que o zumzum chegou a este país de frente ao mar prostrado. Não me consigo recordar em que fase da minha vida estava, recordo-me de ler, numa pesquisa qualquer, que era o que andava a mexer com as donas de casa Neozelandesas. Ora, Angie não é dona de casa, mas tem uma curiosidade mórbida pelo comportamento destas formiguinhas tantas vezes esquecidas, e que trabalham diariamente pelo bem-estar da sua prole. Ora de estava a mexer com elas, pensei porque não tentar perceber o que se passa. Entrei no continente e comprei o livro. Só existia traduzido em português o primeiro volume. Trouxe para casa, li-o em 3 dias e pensei, onde posso encontrar o próximo volume!??! Descobri então que a Fnac tinha os volumes em versão original. Como sempre, o Pedro cedeu à minha insanidade e foi comigo até à Fnac e deu-se ao trabalho de procurar o que eu queria. Escusado será dizer que depois de os encontrarmos, aliás depois do empregado os encontrar, e me dar os livros (sim porque eu não queria correr o risco de ter volumes esgotados…), o Pedro olhou para mim e perguntou-me o que andava eu a ler… Contei-lhe a história, ele como me conhece bem não deu importância mas não conseguiu resistir a dizer:”tu és mesmo doida”.

Li os três livros, no fim fiquei com a sensação do foi muito bom. O envolver dos personagens, o erotismos nas descrições dos comportamentos. A forma como a E. L. James, consegue envolver o leitor. Como torna o Christian um homem imponente. Julgo que é das personagens masculinas que mais empatia me causou. A forma como a Ana cresce ao longo de toda a história. Eu adorei. A trilogia é realmente pornográfica, mas não é pornografia badalhoca. É erotismo, jogo de cintura.

Em resumo, é por eu ter venerado tanto a trilogia, e ter colocado a Andreia e a minha mãe a ler, que tenho medo de ir ao cinema ver a adaptação. Porque é isso mesmo, uma adaptação. Prefiro por isso manter-me longe da adaptação, prefiro manter a minha conexão ao original.

Vejamos o que terá “50 sombras de Grey” a ver com este blog?! muito fácil, COMIDA. Durante todos os livros, uma das preocupações do Grey é a má alimentação da Ana. Existe inclusivamente um episódio em que ela sonha com ele a dar-lhe morangos…. Hmm tão comum. Eu hoje trago precisamente isso, uma daquelas rápidas receitas, adaptadas da Nigella Lawson, com morangos, chocolate e natas. Uma amiga minha diz que esta combinação é “o sonho” eu confesso que sinto o mesmo de cada vez que como este pedacinho de céu.

PS:Parabéns ao meu “Grey” que hoje faz anos. Não tem cinquenta sombras, mas para mim faz-me perceber muito bem a Ana!

This week I have heard lots of comments about the arrival of the film “50 shades of Grey,” I’ve been following the radio lines, television interviews, reviews in newspapers (those in paper), social networking updates … Well, I have eaten the reviews the same way as the trilogy was devoured. I assume, I read the books, I loved it. I will not, or at least do not intend to go to the cinema to see the movie. All because I fear, from the core of my hart, to end with all the film I, myself, created while reading the books.

I started reading the “50 shades of Grey,” by the time zumzum came to this country near the sea planted. I do not remember in what stage of life I was, I just remember reading in a research, that it was the buzz in between New Zeland’s housewives. Now, Angie is not a housewife, but has a morbid curiosity about the behavior of these little ants so often forgotten, and who work daily for the welfare of their offspring. So, if it was messing with them, I thought why not try to understand what is happening. I entered on continent and bought the book. Only the first volume was translated in Portuguese. So, I brought it home, I read it in 3 days and thought, where can I find the next volume!??! Then I found out that Fnac had volumes in original version. As always, Pedro gave in to my insanity and walked me to Fnac and gave the trouble to look for what I wanted. Needless to say, after we find them, in fact after the employee find, and give me the books (yes because I did not want to risk having exhausted volumes …), Pedro looked at me and askedwhat I was reading … I told him the story, but he knows me so well that he gave no trouble but he could not resist saying: “you are even crazier than I thought”.

Read the three books and in the end I got the feeling that it was very good. The wrapping of the characters, the descriptions of behaviors. The way the E.L. James, can engage the reader. As for Christian, he is the real Alfa man. I think it is the male characters that more empathy caused me. The way Ana grows throughout the story. I loved it. The trilogy is really pornographic, but it is not bad pornography. It’s eroticism, waist game.

In short, because I have worshiped, and have put Andreia and my mother reading it, I’m afraid to go to the cinema to see the adaptation. Because that’s it, that is an adaptation. i prefer to keep away from the adaptation, I prefer to keep my original conception.

Let’s see… What does”50 shades of Grey” have to do with this blog?! Very easy, FOOD. For all books, one of the concerns of Grey is the poor diet of Ana. There is even an episode where she dreams of him giving her strawberries …. Hmm so common. Today I bring just that, one of those quick recipes, adapted from Nigella Lawson, with strawberries, chocolate and cream. A friend of mine says this combination is “the dream” I confess I feel the same each time, tastes like little piece of heaven.

PS: Congratulations to my “Grey” because today is his birthday. He ain’t fifty shadows, but helps me understand very well Ana!

50 PEDAÇOS DE CÉU

O que vais precisar?

  • 1 bolo de chocolates, daqueles de super-mercado;
  • 250gr de morangos;
  • 2 pacotes de natas;
  • Açúcar qb;
  • Licor de frutos vermelhos ou vinho do porto;
  • groselha;

Como vais fazer?

  1. Numa taça de vidro coloca o bolo no fundo cortado em pedaços grosseiros, cobre todo o fundo;
  2. Verte sobre o bolo, o licor e a groselha. 2,5 copos de groselha 0,5 de licor;
  3. Corta os morangos em fatias, generosas e coloca por cima do bolo;
  4. Bate as natas com o açúcar, até elas ficarem bem espessas e cobre a sobremesa;

hmmm é quase orgásmico….

WP_20150214_10_27_27_Pro WP_20150214_10_27_40_Pro

Jantar de redenção… fim de curso… Oh foi um jantar!

A minha vida este fim de semana foi uma espécie de Reality Show. Estive no Kitchen nightmares, e ao mesmo tempo no What not to wear e finalmente um outro que chegou a passar na televisão portuguesa Queer Eye for the Straight Guy que eu julgo que na versão portuguesa era “Esquadrão G”. Sim é verdade, nas 24h que durou o dia de “Todos os Santos”, a cozinha da minha mãe transformou-se num set digno do canal E!

Vamos recuar quase um ano, 19 de Dezembro de 2013. Eu fiz anos, não vou dizer quantos porque me sinto constrangida… Os meus amigos, juntaram-se e fizeram uma vaquinha. Ofereceram-me um vaucher para fazer um curso de culinária. Os meses passaram eu ganhei coragem, inscrevi-me no curso e fui toda contente tirar o curso. Até aqui nada de novo. Visto que ja contei esta história. Acontece, que eu prometi, que quando tivesse o curso fazia um jantar para todos. Aqui começa a trama…

Sabes o programa “What not to wear”? Em que, andam a filmar uma pessoa que se acha uma estrela fashion, mas na verdade não passa de uma pessoa com um péssimo gosto para vestir? Pronto, o mesmo aconteceu comigo… mas nada a ver com roupa, é mais a ver com a cozinha. Eu achava que era uma cozinheira inata. Nasci para cozinhar para os amigos… até que eles me oferecem um vaucher para ir aprender a cozinhar… Foi como se estivesse a ver a Stacy e o Clinton a dizer: “numa semana tens de mudar”… mas era mais o Chefe Francisco Lobão a dizer: “vais ter de aprender”. Foi doloroso, mas eu aceitei o desafio e no fim ate recebi um diploma. Por esta altura, dou entrada no programa “Esquadrão G”, quando depois de um dia a ensinar um homem a tratar da sua pele, a fazer um prato incrivel para a sua mais que tudo, ele é largado aos leões. Pronto para mostrar, como um dia com os “Senhores G” o transformaram num homem metro sexual e preocupado… No meu caso foi mais, seis semana de curso com o Chefe Francisco Lobão e agora cozinha para os amigos que se uniram para te dizer que não sabes cozinhar… Oh Angie Angie, onde te foste meter….

Decidi escolher algumas receitas que aprendi e fiz um jantar de tapas. Nada de transcendente… não fosse o facto de eu não ser um polvo, mas sim um ser humano com um grau de descoordenação muito acima da média… Ou seja, quando o Senhor Gordon Ramsay entrou na cozinha da minha mãe, pensou logo: “Ora aqui está uma cozinha com potencial, mas com uma péssima cozinheira….”. Ora eu que não sou de me ficar, disse:” Chefe Ramsay, isto não é o hell’s kitchen e eu não vou receber um prémio no fim. Isto é a vida real”. Resumidamente, deixei de me preocupar com o caos que se acumulava na banca, e passei a preocupar-me com as tapas que iam ficando a meio ponto. Trabalhei mais que um mouro em dia de apanha da uva… Fiz 8 pratos, tudo sozinha e ainda consegui organizar mais ou menos a cozinha, o Pedro veio ajudar a meter cadeiras que faltavam. Por favor, não penses no lava-louça, porque eu também não… além disso agora está arrumado!

Às 20.45 começaram a chegar os convidados, pontualidade britânica não aconteceu… mas ainda bem, porque assim consegui terminar as chips.

Depois de todos terem chegado, e eu ter feito uma pequena introdução ao jantar que se seguia, todos nos sentamos à mesa e só de lá saímos às 23.45… Ao que parece o que comemos era tão bom, que ninguém tinha vontade de sair da mesa.

Por esta altura já tinha dispensado a crew dos reality shows e voltei a sentir-me a adolescente que, todos os sábados à noite, trazia os amigos para casa, para conversar até altas horas…

A ementa de tapas vou dizer aqui, mas não vou dar nenhuma das receitas da escola de culinária. Não são receitas minhas, e não pedi autorização para as dar. Vou sim passar a receita de uma das sobremesas que fiz, que foi inventada por mim na hora!

Ementa de Jantar de Tapas ou Jantar de Redenção

Entrada

  • Pão de Alho;
  • Pizza de Fiambre e 4 queijos;

Prato principal

  • Arroz de Marisco;
  • Bife com Cogumelos com Batatas chips e yorkshire punddings;
  • Bife com Mostarda com Batatas chips e yorkshire punddings;
  • Penne com Bacon e Cogumelos;

Sobremesa

  • Mousse de chocolate;
  • Salada de fruta soft crunchy.

A receita que vou partilhar é a da salada de fruta.

SALADA DE FRUTA SOFT CRUNCHY

O que vais precisar?

  • 3 maçãs;
  • 3 laranjas;
  • 3 pêras;
  • 6 iogurtes de vários sabores (eu usei morango, coco, e frutos exóticos);
  • 2 pacotes de filipinos de chocolate de leite, triturados em tamanho granulado;

Como vais fazer?

  1. Começa por descascar e cortar a fruta em pedaços pequenos e mistura-os todos;
  2. mistura os seis iogurtes num recipiente;
  3. Começa a fazer a montagem da salada de frutas. Começa por uma camada de granulado de filipinos, uma camada de frutas e cobre com iogurte;
  4. Repete o processo e termina com uma camada de filipinos.
  5. Leva ao frigorífico e retira só na hora de servir.

IMG_0309Agora que aprendi a fazer vídeos, não quero outra… Por isso vou deixar aqui o vídeo das fotos de sábado!

Ps: João e Milai, eu vou tentar fazer algo do mesmo género depois do Harrison. Mas só para vocês… 9 pessoas é digno de um filme de halloween….

Às minhas meninas que hoje são senhorinhas!

Já fiz aqui algumas menções à minha feliz infância. Na companhia da minha irmã e dos meus primos, Arsénio e Patrícia, da tia Lina e do tio Álvaro, mas não contei que eu fui a ratinha da família até chegarem as minhas primas Regina e Inês. A vinda da Regina foi uma grande notícia, porque ela tinha a minha idade e nós íamos ser as melhores amigas. Agora a chegada da Inês foi diferente. Eu já tinha seis anos, e o título adquirido da mais fofa e gira e então chegou um bebé. Esta nova criatura, palrava, chorava, não comia e para piorar tirava-me toda a atenção. Foi muito problemático. Tive que levar com aquela chorona que de um dia para o outro estava a aprender a fazer xixi sem fralda e a chamar monkisse ao meu cão. Tudo porque a Marta dizia dá-me um Kiss e ela fez a sua própria interpretação. Se isto não fosse suficientemente dramático, a piolha não era fã de batatas fritas e fazia queixa de mim por eu roubar as batatas do prato dela. Raios tudo era tão bom e chegou a pulga.

Contudo, um dia, assim sem aviso prévio eu ganhei amor de mana mais velha por esta pulga. Foi então que comecei a torcer pelos sucessos dela. Ontem, para mim foi um dia especial por culpa da minha Inezinha. Foi o dia de imposição das insígnias dela. Senti um misto de alegria, orgulho e saudades. Saudades dos almoços e brincadeiras em casa da tia Lina. Orgulho, por ver a minha pequenina a suceder naquilo que se propôs a conquistar e felicidade por saber a sensação que este momento provoca.
Assim, hoje dedico este post à minha Inezinha.
Quero, porem, adicionar duas outras meninas que me conquistaram super fácil. Uma é minha Mézinha que em pequenina quase não falava e hoje é quase Sra. Doutora, dos hospitais. A outra, é a minha mais recente menina pequena, a Sofia. É rebelde, autónoma, descontraída, com um carapaça bem dura de quebrar, mas com uma inocência e crença no mundo que transcende a realidade humana.
Em suma às minhas 3 menina desejo-vos muito sucesso e muita felicidade e acima de tudo, que eu possa continuar a seguir e assistir aos vossos sucessos. Meus amores ontem quando a Inês recebeu as insígnias dela, eu pensei também em vocês as duas e anseio pelo vosso momento de imposição de insígnias.

Confesso, contudo, que tinha de arranjar uma receita para trazer aqui. Tudo porque este blog, conta pequenos retalhos desta minha curta vida, e ainda invenções da cozinha que ainda não é a minha. Foi então que hoje, depois de uma noite em que fiz os balanços do dia, e do futuro, e ainda com as minha meninas no pensamento criei a sobremesa deste primeiro de Junho. Também conhecido pelo dia da criança. Assim, trago uma sobremesa simples e bem nutritiva. Salada de Fruta e Bolacha.

SALADA DE FRUTA E BOLACHA

O que vais precisar?

  • 1 pacote de bolachas digestivas com cobertura de chocolate, tem da marca continente;
  • 1 lata de ananás em lata;
  • 1 lata de pêssego em lata;
  • 4 iogurtes gregos naturais;
  • 250gr de queijo mascarpone;
  • 3 colheres de sopa de açucar;

Como vais fazer?

  1. tritura bem o pacote de bolachas, até ficar tipo pó;
  2. mistura o mascarpone, os iogurtes e o açúcar;
  3. corta o ananás em 4 e o pêssego em fatias finas;
  4. agora está na hora de montar a sobremesa. Começa por uma camada de bolacha, uma camada de simples de pêssego e uma camada de iogurte. repete o processo, mas desta vez com ananás. A mim deu 2 camadas de de pêssego e duas de ananás.
  5. Termina com uma camada de pêssego e ananás.
  6. Leva ao frigorífico ate servir.

Bom apetite!

ImagemImagem